29 de maio de 2022
Destaque

Vítima de golpe por Pix, Prefeitura de Crixás vê R$ 4 milhões desviados do cofre do município

Prefeitura de Crixas vítima de golpe milionário
Prefeitura de Crixas vítima de golpe milionário

A Prefeitura de Crixás precisou acionar a Polícia Civil (PC) e a gerência regional do Banco do Brasil após ter sido lesada em mais de R$ 4 milhões decorrente de um golpe bancário. Estelionatários conseguiram efetuar o roubo eletrônico após se apresentarem como gestores da rede bancária nesta terça-feira (25), de acordo com o Jornal do Vale.

O advogado da prefeitura, Tyrone Guimarães explicou que um homem que se apresentou como Fernando de Oliveira, gestor do suporte da rede do BB, ligou para o secretário de Finanças, Jovael Maciel da Luz. Não era um cidadão que apresentava informações rasas. “Era uma pessoa bem articulada, que induziu o secretário a fazer alterações nas chaves”.

Apenas horas depois que a prefeitura tomou conhecimento das transações, quando o gerente regional de suporte  – o verdadeiro – notou que alguma coisa estava errada. É que nenhum Fernando de Oliveira fazia parte do quadro de funcionários da agência. “Foram 12 transferências para três pessoas que totalizaram R$ 4,6 milhões. “É o que conseguimos apurar até agora porque as contas estão bloqueadas pela prefeitura. Já sabemos os nomes dessas pessoas, mas não as contas e os CPFs”, relatou o advogado.”

Continua após a publicidade

Em Crixas, a Secretaria de Finanças nunca utilizou o Pix como método de pagamento. De acordo com Tyrone Guimarães, para convencer o secretário, o estelionatário citou dados que somente servidores específicos teriam acesso e também a gerente de suporte de redes do BB, que fica baseada em Ceres, a cerca de 90 km de distância. “Fomos vítimas de estelionatários. A nossa preocupação é que outras prefeituras não caiam nesse golpe, cada vez mais frequente envolvido o PIX”, afirmou o advogado. 

Um ofício foi encaminhado pela administração de Crixás ao BB pedindo mais informações. “O que é estranho é que normalmente é exigida pré-autorização para transferências de quantias tão altas, pedem 24 horas para limites maiores. Não é tão simples assim essa movimentação, ainda mais envolvendo um órgão público”, diz Tyrone Guimarães. Somente em uma transação foram transferidos por PIX mais de R$ 500 mil.

Leia mais sobre:
Cidades Destaque