13 de julho de 2024
Política

Vereador pede investigação contra colegas

Durante sessão ordinária desta quarta-feira (2) na Câmara Municipal, o vereador Fábio Caixeta (PMN) solicitou abertura de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar o relacionamento entre vereadores goianos e o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Elias Vaz (PSol) e Santana Gomes (PSD) anteciparam que assinarão o requerimento.

“É inadmissível toda esta situação. A imagem da Câmara Municipal está sendo maculada por atitudes que envolvem uma minoria. Precisamos investigar para manter o respeito perante a opinião pública”, afirmou Caixeta. O vereador se reunirá ainda hoje com companheiros de sua base para elaboração do requerimento e início do recolhimento efetivo de assinaturas.

Questionado sobre posicionamento do vereador Fábio Caixeta, Santana Gomes avaliou como positiva e disse estar tranqüilo com a situação. “Não tenho nada a temer, ao contrário, uma investigação provará que eu mantinha um relacionamento de amizade sem envolvimentos ilícitos com Cachoeira”, declarou. O pessedista admite proximidade com o contraventor, mas garante que nunca recebeu qualquer tipo de incentivo financeiro de Cachoeira em suas campanhas eleitorais.

Santana Gomes afirma que toda polêmica gerada com as gravações entre o “amigo Cachoeira” e ele, não passam de um mal entendido. “Sempre tive um jeito muito extrovertido, brincalhão. Conversava com Carlinhos em tom de brincadeira e não tinha idéia que poderia acabar gerando toda esta confusão”, disse.

“A imprensa tem divulgado frases soltas que não justificam o contexto. Quando eu falava em delação premiada, por exemplo, não era em tom de ameaça, mas sim uma expressão que utilizávamos ironicamente para referirmos a atitudes pessoais, íntimas, entre os amigos”, explicou.

Elias Vaz também defendeu a criação da CEI e afirmou que todas as gravações que citam seu nome contribuem com a manutenção de sua imagem como homem público. “Todas as gravações deixaram claro que eu sempre tive uma postura reta enquanto vereador. Só há reclamações, por parte dos contraventores, do meu posicionamento firme e questionador em relação às obras do Mutirama. Não devo nada e não tenho nada a temer”, concluiu Elias.


Leia mais sobre: Política