21 de maio de 2024
Destaque • atualizado em 14/01/2021 às 06:06

Velório de Maguito Vilela continuará em Jataí e enterro será na manhã desta quinta-feira (14)

No Palácio das Esmeraldas, mais tristeza
No Palácio das Esmeraldas, mais tristeza

O prefeito licenciado de Goiânia, Maguito Vilela (MDB) está sendo velado a céu aberto no Palácio das Esmeraldas, na capital de Goiás. Na sequência, ele será encaminhado para Jataí, sua terra natal, onde o velório continuará, e a previsão é que o corpo seja sepultado na manhã desta quinta-feira (14/01).

No Palácio das Esmeraldas, secretários de Estado e do Município velavam Maguito sob vistas de goianienses que, à distância, tentavam se despedir do ex-governador de Goiás. Por alguns momentos, o governador Ronaldo Caiado (DEM) e Daniel Vilela (MDB) deixaram as diferenças de lado para compartilharem o luto. Ambos foram concorrentes ao Governo do Estado em 2018. 

Mais cedo, em Aparecida de Goiânia, Daniel Vilela, a viúva de Maguito, Flávia Teles e o prefeito Gustavo Mendanha, choraram juntos.

Maguito recebeu o diagnóstico com a contaminação do novo coronavírus no último dia 20 de outubro e logo no dia 22 deu encaminhamento à internação no Hospital Orión em Goiânia. Na época, a ideia era que o político fosse observado “por precaução”. No dia 27 de outubro, ele foi encaminhado para a UTI do Albert Einstein, em São Paulo e de não saiu mais do hospital.

No dia 2 de dezembro, os médicos constataram que Maguito não estava mais com a presença do vírus no organismo e três dias depois, os médicos decidiram retirar a ECMO do tratamento do então prefeito eleito. Era um indicativo animador para Vilela que duas semanas antes, havia apresentado um sangramento pulmonar e teve de ser submetido à uma cirurgia.

De lá para cá, Maguito alternou entre momentos de sedação. Entre doses leves e altas de sedativos, ele apresentava uma recuperação lenta e gradual em seu estado de saúde, mas desde o dia 8 de janeiro foi diagnosticado com uma infecção pulmonar com fungos e bactérias no pulmão, o que fez com que ele fosse submetido a altas dosagens de drogas vasoativas. Ele não resistiu ao tratamento. 


Leia mais sobre: Cidades / Destaque

Domingos Ketelbey

Jornalista e editor do Diário de Goiás. Escreve sobre tudo e também sobre mobilidade urbana, cultura e política. Apaixonado por jornalismo literário, cafés e conversas de botequim.