17 de agosto de 2022
Investigação • atualizado em 28/06/2022 às 17:59

União do Estudantes defende pedido por instauração da CPI do MEC

Pedido de abertura foi protocolado hoje, (28), com 31 assinaturas
Representante da UNE e apoiadores se pronunciaram hoje em coletiva em Brasília. Foto: TV Senado
Representante da UNE e apoiadores se pronunciaram hoje em coletiva em Brasília. Foto: TV Senado

A União dos Estudantes (UNE) representada pela diretora de relações internacionais, Thais Falone, esteve presente em reunião para protocolização do pedido de abertura da CPI do MEC para investigação do “gabinete paralelo” no Ministério da Educação (MEC), que aconteceu nesta terça-feira (28/06) em Brasília. 

O pedido de instauração da investigação foi requerido pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e contou com a assinatura de 31 parlamentares, entre eles, o senador goiano Jorge Kajuru (Podemos). 

O próximo passo é a instauração da CPI pelo presidente do senado Rodrigo Pacheco (PSD). De acordo com a representante da UNE, as expectativas para os próximos passos são positivas. “Ele (presidente do senado), como bom constitucionalista que é, disse que abriria sem problemas, caso cumprisse todos os requisitos. Disse que não vai interferir na abertura. Isso é o que esperamos”, afirmou Thais. 

Continua após a publicidade

Na coletiva aos jornalistas, Falone se pronunciou em defesa dos direitos dos estudantes universitários e das universidades federais, que recentemente passaram por mais cortes de verbas federais. “Enquanto o MEC está cheio de ladrões, colocando dinheiro no bolso, nós não temos energia nas nossas universidades, está faltando água, está faltando papel higiênico, os nossos professores não têm aumento, não têm reajustes há anos”, afirmou a representante da UNE. 

Thais reiterou que o cenário atual é de “vandalização das universidades”. “Corrupção, propina e tráfico de influência! Esse é o Ministério da Educação do Governo Bolsonaro”, disse Falone. 

Participaram da bancada ao lado da representante da UNE os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP),  Jean Paul Prates (PT) e os deputados federais Sâmia Bomfim (PSOL), Luiza Erundina (PSOL) e Túlio Gadêlha (Rede). Segundo Thais, a UNE se mobilizará para que os demais senadores se somem à luta.

Continua após a publicidade

Luana Cardoso é estagiária pelo convênio do Diário de Goiás com a UFG (Universidade Federal de Goiás) sob supervisão de Domingos Ketelbey