02 de dezembro de 2023
Em processo • atualizado em 08/10/2023 às 20:36

TSE inicia julgamento de ações que investigam irregularidades de Lula e Bolsonaro nas eleições presidenciais

Bolsonaro é acusado de abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação, assim como Lula, que também será julgado pelo último item
Foto: Reprodução/Montagem
Foto: Reprodução/Montagem

Na próxima terça-feira (10), o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começará a julgar as ações sobre possíveis irregularidades cometidas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) durante as campanhas eleitorais do ano passado. Bolsonaro é acusado de abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação, e Lula também será investigado por suposto uso indevido dos meios de comunicação.

Já na terça, serão julgadas três ações de investigação judicial eleitoral que pedem a inelegibilidade de Bolsonaro. Ao todo, são 17 ações que chegaram a ser abertas contra Bolsonaro durante o processo eleitoral de 2023.

Leia Também

No entanto, ainda há outras mais que seguem em tramitação. Destas, uma delas, envolvendo uma reunião com embaixadores no Alvorada, já resultou na condenação de inelegibilidade do ex-presidente pelo TSE.

O julgamento de Lula acontecerá na outra semana, a partir do dia 17 de outubro. O presidente é alvo de ações movidas pela coligação Pelo Bem do Brasil, que apoiou Bolsonaro, sob alegação de que Lula e seu vice, Geraldo Alckmin (PSB) promoveram “notícias fraudulentas” e “omitiram do eleitorado” informações verídicas sobre o caso do tríplex.

Pelo rito de julgamento, primeiro deve ser lido o relatório pelo relator, ministro Benedito Gonçalves, que é também o corregedor-geral Eleitoral. Em seguida, terão a oportunidade de falar por igual tempo acusação e defesa. O primeiro a votar é o relator, seguido pelos demais seis ministros do TSE. 

Com informações da Agência Brasil


Leia mais sobre: / / Política

Luana Cardoso

Luana

Estagiária de Jornalismo do convênio entre a UFG e o Diário de Goiás.