25 de julho de 2024
Política

Tribuna do Planalto: É tempo de arregimentar os puxadores de voto

Em 2013 mesmo com a campanha eleitoral antecipada e as discussões tomando conta do meio politico, uma situação agora mexe com todos os partidos, é a briga pelos puxadores de voto. O Jornal Tribuna do Planalto, na edição dessa semana, analisa essa situação. PT, PMDB, PSDB, PSD, DEM, PDT e PTB lutam para vitaminar as candidaturas dos nomes do partido e também lutam para convencer potenciais candidatos a se filiarem.

Partidos vão atrás dos ‘puxadores de votos’
Mesmo com muitos candidatos à reeleição, principais legendas buscam novos nomes para reforçar as chapas de candidatos à Câmara Federal na sucessão de 2014
Ana Paula Viana – Estagiária do convênio Tribuna/PUC-GO

Os partidos políticos estão em busca de novas lideranças pa¬ra aumentar suas respectivas bancadas na Câ¬mara Federal. Os líderes partidários mantêm conversas tan¬to com políticos experientes, de olho no troca-troca partidário que deve ocorrer até fim de setembro, como com caras novas na política goiana, provenientes de setores organizados da sociedade. A disputa é pe¬los candidatos com bom po¬tencial de votação, os chamados puxadores de votos. A meta é conseguir uma boa chapa de candidatos a deputado federal para atingir a maior quantidade de votos e, assim, um grande número de cadeiras.

Há dois tipos de puxadores e ambos são benéficos para um partido. Existe o que de¬putado que, por ser tão bem vo¬tado, faz que seu partido ganhe mais do que a sua própria cadeira. Também existem aqueles que, mesmo não sen¬do eleitos, angariam para a sua agremiação um número valioso de votos, que se transformam em cadeiras para ou¬tras lideranças.

Partido do governador do Estado, o PSDB aposta em grande chapa com nomes no¬vos, de acordo com o pre¬siden¬te do diretório estadual, Paulo de Jesus. Um dos no¬mes mais disputados para concorrer a uma vaga de de¬putado federal pelo partido é o do presidente da Agel, Célio Silveira, que tem popularidade na região do Entorno de Brasília.

Célio é ex-prefeito de Lu¬ziânia e está sendo disputado por outros partidos. Ele está na mira do PTB do deputado Jovair Arantes, que ainda acre¬dita em sua filiação. O PTB cobra de Célio o seu pos¬to no governo, pois acredita que a presidência da Agel é co¬ta do partido no governo. Em entrevista à Tribuna, há al¬gumas semanas, Célio Sil¬vei¬ra, porém, descartou a mu¬dança de partido. Disse estar bem no PSDB e que foi convidado para o cargo por meio de convite pessoal do próprio governador.

O secretário de Planeja¬ mento Giuseppe Vecci é outra aposta tucana para puxador de votos. Além de ser nome forte no governo, é aliado histórico do governador Marconi Perillo. É esperado que Vecci seja um dos candidatos do PSDB mais fortes para uma cadeira na Câmara Federal.

Outros dois tucanos também são vistos como favoritos, caso realmente confirmem a disputa por uma vaga na Câmara Federal. Otavinho Lage, filho do ex-governador Otávio Lage, e Alexandre Bal¬dy, secretário de Indústria e Co¬mercio e genro de Marcelo Limírio, sócio da Hyper¬mar¬cas, são considerados dois candidatos fortes eleitoralmente.

Outra especulação, é que o presidente da Assembleia Legislativa de Goiás, Helder Valin poderia sair como deputado federal. Ele ainda não cogitou nada publicamente a respeito de seu projeto eleitoral de 2014, mas nos bastidores a possibilidade é cogitada.

Inversão de papeis
No PMDB, uma inversão de candidaturas pode mudar o rumo de duas figuras conhecidas dentro do partido. O de¬pu¬tado estadual Daniel Vilela (PMDB), filho do prefeito de Aparecida de Goiânia Magui¬to Vilela (PMDB), deve sair co¬mo federal no lugar do pri¬mo, Leandro Vilela (PMDB), atual deputado federal.

Daniel deverá ser um forte puxador de votos, já que tem base em Aparecida, Goiânia e Jataí e, junto com a recordista Iris de Araújo, deve ajudar o partido a acumular votos e, consequentemente, cadeiras a mais para o PMDB. Ícone do partido, a deputada federal Iris de Araujo foi duas vezes campeã de votos em Goiás (2006 e 2010).

Além desses principais nomes, o ex-deputado federal Marcelo Melo, líder forte no Entorno de Brasília e Gilmar Alves, ex-prefeito de Quirinó¬polis, são outros puxadores peemedebistas. Gilmar, que é forte no sudoeste, mas ainda analisa se sai como deputado estadual ou federal.

Mais espaço
O Partido dos Trabalhado¬res está mais fortificado após as eleições de 2012. Isso porque conquistou a administração de duas cidades grandes: Goiânia e Anápolis. Os triunfos podem estimular o partido a lançar mais nomes para a Câmara Federal, em 2014.

Os deputados estaduais Mauro Rubem e Luis César Bueno, nomes expressivos do partido na Assembleia, podem ser encorajados a disputar como federais. Já o deputado federal Rubens Otoni, se candidatar-se à reeleição, tem tudo para ser mais uma vez o maior puxador de votos do PT. No entanto há possibilidade que saia na chapa majoritária, como candidato ao Senado, vice-governador ou até mesmo governador.

O presidente da Comurg e tesoureiro de campanha do prefeito Paulo Garcia em 2012, Paulo de Tarso, também é um nome forte para puxar votos vermelhos na disputa das cadeiras federais.
Reeleições

O PSD e o PP apostam na reeleição de seus atuais federais. O PSD tem hoje quatro deputados na Câmara federal: Thiago Peixoto, Armando Vir¬gílio e Heuler Cruvinel. O de¬putado federal Vilmar Ro¬cha, que atualmente ocupa a chefia da Casa Civil, fica de fora desta con¬ta, já que o pessedista anunciou a sua pretensão de ser candidato ao Senado.

O PP tem como puxadores de votos os deputados federais Sandes Júnior e Roberto Ba¬lestra, mas segundo o presidente do diretório estadual do partido, a agremiação ainda recruta nomes. “Estamos recebendo novas filiações, mas ainda é muito cedo para falar disso”, frisa Balestra.

Além dos nomes clássicos, o vice-governador de Goiás, José Eliton (DEM), pode trocar o seu partido pelo PP e entrar na disputa para deputado federal. Isso, porém, só ocorrerá no caso de ele não conseguir viabilizar uma nova candidatura a vice. Aliás, a reeleição de seu atual mandato seria o motivo de sua ida para o PP.

No PDT, a reeleição da deputada Flávia Morais seria o grande puxão de votos para o partido e esperança de sobrevivência do grupo. Além de Flavia, outra possibilidade seria a filiação e candidatura do ex-governador de Goiás, Alcides Rodrigues. O atual pepista estuda filiação no partido e pode concorrer a uma das 17 cadeiras de Goiás na Câmara Federal.

Assim como nos outros partidos, Jovair Arantes e Mag¬da Mofatto também são os puxadores de votos mais im¬portantes para o PTB. Ou¬tros nomes são do Edmilson Tatico, empresário e ex-prefeito de São Luis dos Montes Belos e José Gomes, que ainda está no PP, mas deve se filiar ao partido de Jovair nos próximos meses.Cadeira a menos

O DEM não deve ter o gran¬de puxador de votos Ro¬naldo Caiado, já que ele anunciou sua pré-candidatura ao governo do Estado , mas contará com o empurrão significativo das candidaturas de José Vitti, que atualmente é deputado estadual, Tanner de Melo, que é ex-vice-prefeito de Apa¬re¬cida de Goiânia. “Estamos ven¬do quem vai sair no Entorno, mas é muito cedo para essa especulação”, afirma Caiado.

Além destes, Dione Araújo, produtor rural de Itumbiara e Hélio de Sousa, que hoje é estadual, são os outros nomes. Helio só sai candidato se o tucano Olavinho não sair. Isso porque ambos são do mesmo grupo e cidade. Por fim, o PSB tem Barbosa Neto com o apoio do futuro peemedebista, Júnior do Friboi.

Três nomes ainda não escolheram seus respectivos partidos: Edward Madureira, reitor da UFG, e Henrique Ti¬búrcio, presidente da OAB Goiás, estão em diálogo com o PMDB. Já José Mario Schnei¬der, presidente da FAEG está próximo do PSD.
________________________________________
Confira os principais puxadores de votos para a câmara federal

PSDB
* João Campos – deputado federal
* Leonardo Vilela – deputado federal
* Valdivino de Oliveira – deputado federal
* Giuseppe Vecci – secretário estadual de Planejamento
* Helder Valin – presidente da Assembleia Legislativa
* Marcos Abrão Roriz – presidente da Agehab
* Alexandre Baldy – secretário estadual de Indústria e Comércio
* Célio Silveira – presidente da Agel
* Otávio Lage Filho – ex-prefeito de Goianésia
* Vitor Priori – produtor rural
PMDB
* Iris de Araújo – deputada federal
* Daniel Vilela – deputado estadual
* Pedro Chaves – deputado federal
* Velomar Rios – ex-prefeito de Catalão
* Sandro Mabel – deputado federal
* Marcelo Melo – ex-deputado federal
* Samuel Belchior – deputado estadual
* Gilmar Alves – ex-prefeito de Quirinópolis
PSD
* Thiago Peixoto – secretário estadual de Educação
* Heuler Cruvinel – deputado federal
* Armando Vergílio – deputado federal
PT
* Rubens Otoni – deputado federal
* Mauro Rubem – deputado estadual
* Luís César Bueno – deputado estadual
* Marina Sant’anna – deputada federal
* Tayrone Di Martino – vereador de Goiânia
* Paulo de Tarso – presidente da Comurg
* Olavo Noleto – subchefe de Assuntos Federativos
DEM
* José Vitti – deputado estadual
* Tanner de Melo – ex-vice-prefeito de Aparecida de Goiânia
* Dione Araújo – produtor rural
* Hélio de Sousa – deputado estadual
PDT
* Flávia Morais – deputada federal
* Alcides Rodrigues* – ex-governador
PP
* Sandes Júnior – deputado federal
* Roberto Balestra – deputado federal
* José Eliton* – vice-governador
PTB
* Jovair Arantes – deputado federal
* Magda Mofatto – deputada federal
* Edmílson Tatico – ex-prefeito de São Luís dos Montes Belos
* José Gomes da Rocha* – presidente da Saneago
PSB
* Barbosa Neto – ex-deputado federal
Ainda não escolheram partido
* Edward Madureira – reitor da UFG

* José Mário Schreiner – presidente da Faeg

* Henrique Tibúrcio – presidente da OAB/GO


Leia mais sobre: Política