16 de junho de 2024
Esportes

Treino da seleção custou mudança na Lei e investimento de R$ 2,5 mi do governo, MP vai investigar

O Goiás Esporte Clube gastou cerca de R$ 4 milhões em adequações no Complexo da Serrinha para receber o treinamento da Seleção Brasileira, em preparação para a Copa das Confederações. A sede ganhou novos vestiários, dois campos e teve a fachada reformada. No entanto, o governo goiano de Marconi Perillo vai desembolsar R$ 2,5 milhões para auxiliar o clube, pelas adequações feitas.

Em entrevista, Perillo defendeu o gasto: “Eu faria qualquer modificação para ter a seleção brasileira aqui. Estados muito menores que o nosso estão investindo R$ 1 bilhão, R$ 800 milhões. Não é só para um treino. Vamos estar preparados para receber outras seleções agora e na Copa do ano que vem”, disse o governador goiano, que, como citou reportagem do UOL, é um dos poucos políticos aliados a José Maria Marin, presidente da CBF.

Para permitir o reembolso ao Goiás, o governador Marconi Perillo até mudou a Lei. Em 16 de maio, ele encaminhou à Assembleia Legislativa um pedido de alteração do Proesporte, programa de incentivo ao esporte estadual que prevê R$ 5 milhões da arrecadação do ICMS para projetos esportivos.

A nova Lei passou a destinar R$ 6 milhões da arrecadação do ICMS. O valor máximo para cada proponente subiria para R$ 325 mil, mas “dependendo da importância e excepcionalidade do projeto”, poderiam ser investidos até 2/5 da verba total anual. Ou seja, passou a permitir “legalmente” o repasse ao Goiás.

Mas, de acordo com reportagem do Portal 730, na semana passada, “uma denúncia anônima foi apresentada ao Ministério Público sobre a obra no complexo Hailé Pinheiro”. O processo será repassado a um dos promotores de Justiça do Patrimônio Público, que deve dar andamento às investigações.


Leia mais sobre: Esportes