24 de maio de 2024
Decisão • atualizado em 20/12/2023 às 12:41

TRE-GO realizará retotalização de votos após cassação de Fred Rodrigues

Na sexta-feira (15), os sete ministros do TSE votaram por unanimidade a favor da cassação, anulando assim o registro de candidatura de Fred
Fred se manifestou na Tribuna e alegou que julgamento digital do Tribunal Superior Eleitoral foi injusto. (Foto: Alego).
Fred se manifestou na Tribuna e alegou que julgamento digital do Tribunal Superior Eleitoral foi injusto. (Foto: Alego).

A Corregedoria do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO) realiza, na próxima terça-feira (26), a retotalização de votos para o cargo de deputado estadual de Fred Rodrigues (DC) das eleições de 2022. A recontagem é uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Na última sexta-feira (15), os sete ministros do TSE votaram por unanimidade a favor da cassação, anulando assim o registro de candidatura de Fred. A motivação seria uma pendência na prestação de contas nas eleições de 2020, quando concorreu a vereador de Goiânia. O candidato disputou o pleito de 2022 e tomou posse por meio de decisão judicial.

Mesmo cassado do mandato de deputado estadual, Fred Rodrigues deve assumir a Diretoria de Comunicação da Alego. Durante sessão ordinária desta última terça-feira (19), o presidente da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), Bruno Peixoto (UB), anunciou que Fred Rodrigues será diretor.

Votação online

O processo pela cassação de Fred foi relatado pela Ministra Carmem Lúcia. Segundo o parlamentar, o processo foi colocado no plenário virtual para ser apreciado pelos 7 ministros com outros 70 processos de menor complexidade. Era esperado pela defesa de Fred, que ocorresse um plenário físico para que houvesse sustentação oral.

Em sessão da Assembleia Legislativa (Alego) desta terça-feira (19), Fred se manifestou na Tribuna: “O que foi cometido pelo TSE foi uma injustiça não contra mim, mas contra toda a democracia. Se um mandato pode ser caçado em um plenário virtual, sem direito de defesa, o que mais é possível?”.

Nós fomos colocados em um julgamento digital no TSE, no qual meus advogados não tiveram o direito de fazer a sustentação oral. Essa situação nunca aconteceu antes com um deputado sentado na cadeira de parlamentar, na condição de recorrido”, disse Rodrigues alegando que irá aguardar um novo julgamento. “Minha intenção ao recorrer ao STF é só para provar que eu fui vítima e não houve erro nenhum”, defendeu.


Leia mais sobre: / / / / / Política

Elysia Cardoso

Jornalista formada pela Uni Araguaia em 2019