27 de fevereiro de 2024
Economia • atualizado em 22/11/2023 às 16:32

Taxa de desemprego em Goiás atinge 5,9%, a menor desde 2014

Levantamento divulgado pelo IBGE apontou cerca de 238 mil desempregados no Estado durante o período analisado, apesar da estabilidade no cenário nacional
Em números, a estimativa é de que 238 mil goianos desempregados durante o período analisado. Foto: Reprodução
Em números, a estimativa é de que 238 mil goianos desempregados durante o período analisado. Foto: Reprodução

A Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar Contínua (PNAD Contínua), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (22), aponta que a taxa de desemprego em Goiás atingiu 5,9% no terceiro trimestre de 2023, a menor desde 2014. A situação se manteve estável no estado, em comparação com o ranking nacional.

A taxa de desemprego se manteve estável, estatisticamente falando, também em relação ao trimestre imediatamente anterior, cuja porcentagem foi de 6,2%, e também em relação ao mesmo trimestre de 2022, que fechou em 6,1%. Na capital, a taxa de desemprego foi de 5,1%, também com estabilidade em relação ao trimestre anterior, que foi de 5,1%.

LEIA TAMBÉM: Goiás atinge menor taxa de desemprego em nove anos, aponta IBGE

No estado de Goiás, essa foi a primeira taxa de desemprego que fica abaixo do patamar de 6,0% em oito anos e foi a menor desde 2014 quando atingiu 5,2% no quarto trimestre. Em números absolutos, a estimativa é de que população desempregada esteja em 238 mil pessoas no período correspondente. Esse é o menor quantitativo de desocupados desde do 4º trimestre de 2014, quando o número chegou a 177 mil.

No ranking nacional, Goiás está entre os estados com menor taxa de desemprego. Rondônia (2,3%), Mato Grosso (2,4%), Santa Catarina (3,6%), Mato Grosso do Sul (4%), Paraná (4,,6%) e Tocantins (5,4%) ocupam as últimas posições, com as menores taxas. Na outra ponta, com os índices mais altos estão os estados: Bahia (13,3%), Pernambuco (13,2%), Amapá (12,6%), Rio de Janeiro (10,9%), Rio Grande do Norte (10,1%) e Piauí (9,9%).


Leia mais sobre: / / / Economia

Luana Cardoso

Luana

Estagiária de Jornalismo do convênio entre a UFG e o Diário de Goiás.