24 de maio de 2024
CONDENAÇÃO

Suspeito de simular “incêndio acidental” após matar esposa e filho é condenado

Além de Marcelo Alves, um outro homem foi preso suspeito de participar do crime
Caso aconteceu em maio de 2022, em São Domingos, município localizado na região do Nordeste goiano. (Foto: Reprodução)
Caso aconteceu em maio de 2022, em São Domingos, município localizado na região do Nordeste goiano. (Foto: Reprodução)

Um homem, identificado como Marcelo Alves da Silva, foi condenado a 66 anos de prisão por matar a esposa, de 30 anos, e o filho, de 2 anos. Após o crime, Marcelo teria simulado um incêndio acidental para acobertar. A informação foi divulgada pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO) na sexta-feira (05), mas o caso aconteceu em maio de 2022, em São Domingos, município localizado na região do Nordeste goiano.

Marcelo Alves responde por feminicídio e homicídio qualificado, além de destruição de cadáver, fraude processual e incêndio. A Justiça entende que o motivo do crime foi torpe, com emprego de recurso que impossibilitou a defesa das vítimas e que as mortes foram planejadas, já que o homem suspeitava que a esposa estava o traindo e que o filho não seria dele.

De acordo com o Ministério Público, um outro homem também foi condenado durante um julgamento realizado na quinta-feira (04), Isaque de Sousa Rodrigues, que teria sido contratado por Marcelo para ajudá-lo nos homicídios. Para Isaque, a pena foi fixada em mais de 42 anos e 99 dias-multa, e responde por dois homicídios qualificados, crimes de vilipêndio a cadáver, destruição de cadáver, fraude processual e incêndio.

Investigação

O Ministério Público informou que na madrugada em que os crimes foram cometidos, Marcelo chegou primeiro na casa e liberou a entrada de Isaque. Então, matou a esposa asfixiada e sufocou o filho com um tecido. Isaque admitiu que participou do crime e relatou que perfurou o pescoço da mulher com uma faca a mando de Marcelo, mas que não encostou na criança.

Para esconder o crime, Marcelo teria jogado acetona nos corpos da esposa e do filho e mandou o comparsa atear fogo na casa. Conforme as investigações, a mulher foi morta uma hora antes de o marido deixar a casa para ir trabalhar. Segundo o sogro, ao receber a notícia do incêndio, o homem já dava como certa a morte da esposa e do filho.

Além disso, testemunhas informaram que estranharam o fato de Marcelo não ter demonstrado tristeza durante o velório.

Marcelo foi preso três dias após o crime e a delegada Lucilene Guimarães dos Santos, titular da delegacia de São Domingos, relatou que o homem demonstrava pressa para levantar dinheiro e demonstrou desprezo pelas mortes, sendo isso prova de que ele pretendia fugir.


Leia mais sobre: / / / / / / / Geral

Maria Paula

Jornalista formada pela PUC-GO em 2022 e MBA em Marketing pela USP.