16 de julho de 2024
Decisão

STF descriminaliza porte de maconha para uso pessoal; ministros vão estabelecer quantidade

Corte deixou para a sessão de amanhã (26) a definição sobre a quantidade de maconha que deve caracterizar uso pessoal e diferenciar usuários e traficantes
Julgamento foi concluído com 8 votos a 3. (Foto: Carlos Moura/SCO/STF).
Julgamento foi concluído com 8 votos a 3. (Foto: Carlos Moura/SCO/STF).

No fim da tarde desta terça-feira (25), o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu descriminalizar o porte de maconha para uso pessoal por 8 votos a 3. A Corte deixou para a sessão de amanhã (26) a definição sobre a quantidade de maconha que deve caracterizar uso pessoal e diferenciar usuários e traficantes. Pelos votos já proferidos, a medida deve ficar entre 25 e 60 gramas ou seis plantas fêmeas de cannabis.

Após a decisão, o porte de maconha continua como comportamento ilícito e permanece proibido fumar a droga em público, mas as punições definidas contra os usuários passam a ter natureza administrativa, e não criminal. Com isso, deixa de valer a possibilidade de registro de reincidência penal e de cumprimento de prestação de serviços comunitários.

Vale lembrar que o julgamento começou em 2015, quando o relator, ministro Gilmar Mendes, votou pela descriminalização do porte de qualquer tipo de droga. No entanto, após os votos que foram proferidos pelos demais ministros, Mendes restringiu a liberação somente para a maconha, com fixação de medidas para diferencial consumo próprio e tráfico de drogas. O julgamento foi concluído após nove anos de sucessivas suspensões.

Não é legalização

Durante a sessão, o presidente do Supremo, ministro Luís Roberto Barroso, ressaltou que a Corte não está decidindo sobre a legalização da maconha e o consumo permanece como conduta ilícita. “Em nenhum momento estamos legalizando ou dizendo que o consumo de drogas é uma coisa positiva”, afirmou.

Nós estamos apenas deliberando a melhor forma de enfrentar essa epidemia que existe no Brasil e que as estratégias que temos adotado não estão funcionando porque o consumo só faz aumentar e o poder do tráfico também.

Ministro Luís Roberto Barroso

Leia mais sobre: / / Brasil

Elysia Cardoso

Jornalista formada pela Uni Araguaia em 2019