27 de maio de 2022
Destaque 2 • atualizado em 12/01/2022 às 11:48

Sindipúblico quer garantir que servidores estaduais de Goiás tenham acesso a trabalho remoto

Foto: Divulgação/Sindipúblico
Foto: Divulgação/Sindipúblico

O Sindicato dos Trabalhadores no Serviços Público do Estado de Goiás (Sindipúblico) anunciou nesta terça-feira (11), ter ingressado com ação judicial coletiva com o questionamento com relação à omissão do governador Ronaldo Caiado (Democratas) em adotar medidas protetivas de saúde e segurança para prevenir os servidores do risco de contágio com a nova variante do coronavírus (Ômicron) e a consequente proliferação da Covid-19.

Ao destacar os dados divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), apontam 2.183 novos casos de Covid-19 em Goiás, entre os dias 10 e 11, o que representa 135% de aumento em apenas um dia, o Sindipúblico salienta que, ao contrário das medidas adotadas pelo Tribunal de Contas, Ministério Público e Tribunal de Justiça, que editaram atos autorizando o regime de teletrabalho aos seus servidores, o Chefe do Executivo estadual não adotou qualquer medida em favor do funcionalismo público.

Diante das ponderações, o sindicato solicita a concessão de medida liminar para que o Governo de Goiás autorize os regimes de teletrabalho, Desocupação Funcional por Calamidade Público (DFCP) e revezamento aos servidores, mantendo apenas o quantitativo mínimo necessário para o atendimento presencial nos órgãos e entidades do Estado.

Continua após a publicidade