30 de junho de 2022
Política

Sindicato quer diálogo com o governo para discutir redução no preço do gás, diz presidente

Presidente do Sindicato das Empresas Revendedoras de Gás da Região Centro-Oeste (SINERGÁS), Zenildo Dias do Vale - Foto: reprodução/ O Popular.
Presidente do Sindicato das Empresas Revendedoras de Gás da Região Centro-Oeste (SINERGÁS), Zenildo Dias do Vale - Foto: reprodução/ O Popular.

O governo garante que vai derrubar o preço do gás em até 40% com uma nova política para o setor para que a redução chegue até o consumidor brasileiro. Mas, o presidente do Sindicato das Empresas Revendedoras de Gás da Região Centro-Oeste (SINERGÁS), Zenildo Dias do Vale, disse que a ação é ‘enganosa’ e não tem como funcionar sem diálogo com os sindicatos. “O governo quer fazer tudo sozinho, sem reunir com a classe, mas o Brasil não funciona sem nós”.

Continua após a publicidade

Um estudo divulgado na semana passada pelo Ministério da Economia lista três medidas para melhorar a competitividade do preço aos consumidores residenciais.

Para o presidente do sindicato,  o ministro Paulo Guedes não entendeu o que é analisar essas três medidas e questiona: ” Não vai abaixar, porque nós hoje, neste momento somos o repassador e tem as companhias para engarrafar e tem o governo para vender, aonde que ele vai mexer? e se ele mexer no nosso preço nós vamos sair do mercado e nós somos muitos no mercado 72 mil revendedores de gás”, afirma.

Em Goiás são 4 mil revendedores de gás distribuídos nos 246 municípios goianos e no Brasil 72 mil revendedores de gás. “As companhias não tem como fazer 246 municípios e o governo quer fazer o negócio sem mexer no imposto e sem reduzir o gás na Petrobras. O governo quer tirar a gente do mercado. O governo acha que as companhias fazendo isso direto o gás vai abaixar, mas são apenas 19 companhias, elas não tem como atender a todos no Brasil”, esclarece Dias.

Continua após a publicidade

Na Petrobras esse gás custa R$26,20 e são R$11 reais de imposto para chegar nas companhias que paga R$37 reais mais o custo da carreta e chega a R$53,00 até  R$58,00 reais para os revendedores.

Segundo o presidente, o botijão de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) de 13 KG somam um total de 110 milhões no Brasil e que são divididos para as 19 companhias e assim distribuídos para os revendedores.

Zenildo questiona o nível de segurança tanto para os consumidores e também para os revendedores na hora da troca do botijão . “Não vai conseguir engarrafar botijão nos postos de gasolina, e quem troca o botijão nas casas são os revendedores se mudar as regras quem vai fazer isso? As engarrafadoras que dão a segurança e limpeza para os botijões”, garante.