16 de abril de 2024
Negociação • atualizado em 21/02/2024 às 11:12

Sindicato nega proposta da Urban e motoristas de Anápolis podem entrar em greve

Uma nova assembleia foi convocada para a noite desta quarta-feira (21) para decidir se a prestação de serviço será paralisada
O reajuste salarial proposto pela empresa foi de 3,74% e o aumento solicitado pelos profissionais é de 15%. (Foto: Bruno Velasco/Prefeitura de Anápolis).
O reajuste salarial proposto pela empresa foi de 3,74% e o aumento solicitado pelos profissionais é de 15%. (Foto: Bruno Velasco/Prefeitura de Anápolis).

Em uma negociação para o reajuste salarial que já se estende por nove meses, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Anápolis (SITTRA) negou a proposta feita pela empresa de Mobilidade Urbana de Anápolis (Urban). O reajuste salarial proposto pela empresa foi de 3,74% e o aumento solicitado pelos profissionais é de 15%.

Segundo o presidente do SITTRA, Adair Rodrigues, uma nova assembleia foi convocada para a noite desta quarta-feira (21) para decidir se a prestação de serviço será paralisada. “Espero que a gente consiga entrar em um acordo, nós queremos resolver o problema. O trabalhador não quer parar”, afirmou o presidente do sindicato. Ao Diário de Goiás, a Urban afirmou que a operação do transporte municipal segue normalmente.

“Eu espero que nossos trabalhadores entendam a mensagem, vão para dentro do sindicato, sindicalizem para juntos conseguirmos as nossas conquistas que tratam de acordo coletivo e retroativo desde julho de 2023, que até agora que estão atrasados 100%”, pontuou o sindicalista em suas redes sociais.

Vale lembrar que no dia 7 de fevereiro trabalhadores da Urban realizaram uma paralisação como forma de obter resposta sobre a falta de reajuste. Na ocasião, centenas de ônibus ficaram sem rodar, gerando transtorno para os usuários do transporte. A ação não foi suficiente para a consolidação de um acordo, e a categoria segue estudando uma forma de obter as solicitações.


Leia mais sobre: / / / / Cidades

Elysia Cardoso

Jornalista formada pela Uni Araguaia em 2019