14 de agosto de 2022
Cuidados • atualizado em 02/08/2022 às 18:02

SES-GO orienta população sobre o aumento de casos da Monkeypox e os cuidados no retorno às aulas

Goiânia confirma transmissão comunitária após o registro de 29 casos
(Foto: Divulgação / SES-GO)
(Foto: Divulgação / SES-GO)

A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), orienta a população sobre o aumento de casos da Monkeypox (varíola dos macacos) em todo Estado e os cuidados que pais e alunos devem tomar no retorno às aulas do segundo semestre.

Goiás é um dos estados que apresentam mais casos da doença. Até esta terça-feira (2), somente em capital, conforme a pasta há confirmação de 29 casos. De acordo com a superintendente em Vigilância de Saúde da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Flúvia Amorim, o primeiro caso com a chamada transmissão comunitária é de Goiânia.

Flúvia pede que a população não entre em pânico neste momento. ”O que a gente quer é passar a informação para a população. Não é uma questão de pânico, mas é o momento das pessoas entenderem quais são os sintomas e os profissionais de saúde saberem conduzir os casos”, destaca.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM: Com 29 casos, SMS confirma transmissão comunitária de Monkeypox em Goiânia

Transmissão

Flúvia Amorim explica que hoje, o meio de contaminação mais comum, é o contato de pele entre uma pessoa com lesão e outra saudável. ”Este contato pele com pele tem sido uma das principais formas de transmissão”, afirma a superintendente.

Sintomas

Os principais sintomas da doença são: febre, ínguas na região do pescoço, axila e virilha, dor de cabeça e a presença de lesões pelo corpo, o que mais caracteriza a doença. Segundo Flúvia estas lesões podem ser únicas ou múltiplas parecida em muitos casos com uma espinha, uma bolha de catapora ou herpes. ”O surgimento de lesões como estas, a orientação é que essa pessoa procure uma assistência médica”, alerta.

Continua após a publicidade

Volta às aulas

Conforme explica a superintendente Flúvia Amorim, a primeira orientação nesse retorno às aulas, é que se a criança estiver doente, os pais não mande ela para a escola. Flúvia ressalta que esse cuidado serve para, além da Monkepox, também para outras doenças como Covid-19 e Influenza. ”Essa é a primeira orientação”, afirma.

NÃO DEIXE DE LER: Casos de varíola dos macacos em Goiás passam de 18 para 32 em 72 horas

A pasta realiza uma série de medidas para conter o avanço da doença, como o monitoramento e vigilância dos casos e a inclusão da Monkeypox nas discussões permanentes do Comitê de Operações de Emergências em Saúde Pública (COE).

Além disso a SES-GO já realizou três grandes capacitações dirigidas a profissionais de saúde da rede pública e privada, para repassar os protocolos relativos ao manejo clínico, diagnóstico e conduta terapêutica, além das medidas de prevenção e controle.