26 de maio de 2024
Coleta manual

Sem caminhões apropriados, Comurg usa escavadeiras para a coleta de lixo

Um edital para aluguel de 30 caminhões de lixo foi anunciado no mês passado, mas de acordo com a assessoria, o processo ainda não foi finalizado
Coleta de lixo é feita com escavadeira no Parque Amazônia. Foto: Altair Tavares/DG
Coleta de lixo é feita com escavadeira no Parque Amazônia. Foto: Altair Tavares/DG

Com déficit de caminhões de lixo, a Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) têm apelado para escavadeiras para apoio no serviço, especialmente quando há registros de descarte irregular. A informação foi confirmada pelo próprio órgão nesta sexta-feira (23/06), após o Diário de Goiás fazer um registro no Parque Amazônia.

De acordo com o que viu a reportagem, o servidor da companhia coloca o resíduo de forma manual utilizando uma pá na escavadeira que joga para um outro caminhão fazer o descarte. Conforme a assessoria da Comurg, isso acontece devido ao alto número de pontos de descarte irregular existentes em Goiânia aliado ao déficit na frota de caminhões de coleta.

“Temos mais de 120 pontos de descartes irregulares em Goiânia. E infelizmente esse número tem crescido na capital. Com as baixas de caminhões em Goiânia, devido a quebra natural em alguns pontos, usamos outro veículos para ajudar na limpeza da cidade”, destacou a assessoria de imprensa à reportagem.

Questionado sobre quantos veículos estavam parados, a Comurg disse que nesta quinta-feira (22) realizou o serviço com 33 caminhões e cinco escavadeiras. “Para a coleta total em Goiânia, precisamos de 46 caminhões compactadores”, destacou ao Diário de Goiás.

Um edital para aluguel de 30 caminhões de lixo foi anunciado no mês passado, mas de acordo com a assessoria, o processo ainda não foi finalizado. Até lá, a Comurg segue utilizado escavadeiras para o serviço de coleta de resíduos.


Leia mais sobre: / / Cidades

Domingos Ketelbey

Jornalista e editor do Diário de Goiás. Escreve sobre tudo e também sobre mobilidade urbana, cultura e política. Apaixonado por jornalismo literário, cafés e conversas de botequim.