15 de junho de 2024
Tecnologia

Saúde de Goiânia utiliza Inteligência Artificial para prevenir AVC e infarto

Dentre esses, 546 pacientes foram classificados como de alto risco, recebendo prioridade no acesso aos serviços de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS)
Custos desse sistema preventivo são consideravelmente menores para os cofres públicos. (Foto: SMS).
Custos desse sistema preventivo são consideravelmente menores para os cofres públicos. (Foto: SMS).

Ferramenta de Inteligência Artificial (IA) é utilizada pela Prefeitura de Goiânia, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), para identificar doenças cardiovasculares graves, como acidente cardiovascular cerebral (AVC) e infarto. Com a ferramenta, mais de 7 mil pessoas foram identificadas com algum nível de risco cardiovascular. Dentre esses, 546 pacientes foram classificados como de alto risco, recebendo prioridade no acesso aos serviços de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

O secretário de Saúde, Wilson Pollara, afirmou que a utilização de algoritmos de predição e inteligência artificial nos permite identificar, de forma precoce, indivíduos que possuem maior probabilidade de desenvolver doenças cardíacas graves. “Isso nos possibilita direcionar esforços para uma abordagem preventiva mais eficaz, reduzindo o impacto dessas condições na saúde da população”, complementou.

O secretário ressalta que os custos desse sistema preventivo são consideravelmente menores para os cofres públicos. “Ao tratar os pacientes com medidas clínicas antes de um eventual enfarto, evitamos a necessidade de procedimentos cirúrgicos”, aponta. Além disso, Pollara acredita que essa iniciativa terá um impacto positivo no atendimento da rede de saúde, aliviando sua sobrecarga. “Os pacientes serão tratados de maneira mais simples nas unidades básicas, que possuem uma capacidade de atendimento significativamente maior”, finaliza.

Segundo a SMS, após a identificação do paciente com alto risco de estar ou de desenvolver uma doença cardíaca, a secretaria passa para uma segunda etapa, ir até ele. Essa parte do trabalho é feita pelos agentes comunitários de saúde, por meio da busca ativa. O processo está no início, mas será gradativo, garantindo assim que as pessoas recebam o acompanhamento necessário.

O agente de saúde visita os lares dentro de sua área de atuação e auxilia a família no preenchimento de duas fichas: uma domiciliar e outra, individual. Na ficha domiciliar, são registradas informações gerais, como as condições estruturais da residência, o número de moradores e o responsável financeiro.

Já na ficha individual, são detalhados os hábitos de vida, padrões de alimentação, presença de comorbidades, doenças crônicas, entre outras informações relevantes para a saúde individual.

Cynara Mathias

Em seguida, o paciente é agendado para uma consulta com o clínico geral. “A partir dessas consultas, precedidas por eletrocardiograma realizado na própria unidade de saúde, o clínico geral avalia o nível de risco, classificando-o como baixo, médio ou alto, e determina se é necessária uma atenção secundária ou terciária. Estamos estabelecendo uma linha de cuidados para monitorar de perto esses pacientes”, diz Cynara.


Leia mais sobre: / / Cidades / Goiânia / Saúde

Elysia Cardoso

Jornalista formada pela Uni Araguaia em 2019