26 de junho de 2022
Política

Sama está autorizada a retomar produção de amianto, diz Caiado

Governo goiano pede extensão de prazo de liminar. (foto Divulgação)
Governo goiano pede extensão de prazo de liminar. (foto Divulgação)

O governador Ronaldo Caiado sancionou na quinta-feira (18/07), a lei estadual que autoriza a extração de amianto e beneficiamento da fibra no Estado. Isso garante a retomada de produção na mina Cana Brava da Sama Minerações, em Minaçu.

Continua após a publicidade

No início do ano, o Supremo Tribunal Federal (STF), havia banido a extração do amianto crisotila no País. Depois da paralisação da produção, foram apresentados embargos de declaração pedindo o fechamento da mina por 10 anos, mas ainda não foram julgados.

RelembreEternit suspende mineração da SAMA em Goiás

“A matéria não está julgada, está ainda para analisar os embargos declaratórios que foram interpostos. Não estamos passando a frente de ninguém”, afirmou Caiado.

Continua após a publicidade

Ao mesmo tempo foi feito um pedido de efeito suspensivo para que as operações de extração de amianto destinado a exportação pudesse continuar até que fosse feito o julgamento.

Sem o posicionamento do STF, os 275 trabalhadores da mina foram demitidos e a produção interrompida causando prejuízo econômico para o município.

Leia Também“Contem com o Parlamento brasileiro”, diz presidente do Senado ao lado de Vanderlan em Minaçu

Caiado coloca que uma das preocupações principais é o impacto social. “A nossa preocupação falando em meio ambiente, é a destruição das casas que estão lá em Minaçu e aquilo vai ficar assim? E o impacto social também?”, questiona.

O projeto de lei é de autoria do deputado estadual Rubens Marques (Pros). Seria um modo de chamar a atenção para o problema atual da cidade, já que 60% do comércio da região depende do amianto.

“Ninguém está querendo interferir, queremos que haja uma modulação, para que no decorrer de 10 anos a produção daquela mina seja exportada diretamente para os Estados Unidos”, explica o governador.

“Ter nesses 10 anos uma planilha de como recuperar aquelas casas e buscar que haja um trabalho para trazer uma vegetação, para que não haja riscos de desmoronamento, para que não seja tanque de proliferação de doenças. É isso que se busca, junto a isso como que aquelas famílias estão vivendo hoje em Minaçu, elas vivem um colapso social completo”, completa Caiado.