27 de fevereiro de 2024
Erro do fornecedor • atualizado em 30/01/2024 às 08:12

“Rir pra não chorar”, diz produtor que plantou 30 alqueires de cabaça ao invés de abóbora

Alexandre contou que a descoberta foi feita pelos seus dois funcionários, Machado da Oto e Seu Tuca
Plantação está localizada no município de Gameleira e que a compra das sementes foi realizada em uma loja agropecuária, em Goiânia. (Foto: Divulgação).
Plantação está localizada no município de Gameleira e que a compra das sementes foi realizada em uma loja agropecuária, em Goiânia. (Foto: Divulgação).

O empresário do ramo de iluminação, Alexandre Magalhães, afirma que plantou cabaça ao invés de abóbora a partir de sementes compradas em fornecedor. O fato inusitado foi compartilhado nas redes sociais de Alexandre, onde ele afirmou que foram 30 alqueires de plantação escalonada para colher em período diferente. “Tem que rir pra não chorar”, disse.

Em entrevista ao Diário de Goiás, Alexandre conta que a plantação está localizada no município de Gameleira e que a compra das sementes foi realizada em uma loja agropecuária, em Goiânia. “Achei uma semente mais cara e achei uma também mais em conta. Fui nessa opção mais em conta porque o rapaz que me vendeu disse que a germinação era boa”, afirmou. Ele também relembra que a embalagem foi comercializada a ele como sementes de ‘abóbora cabotiá’.

Alexandre narra que retornou para Gameleira, fez toda a preparação do solo e deu início na plantação intercalada. “Começou a nascer aquela primeira etapa, a segunda etapa, a terceira etapa, as flores são bem parecidas, nesse primeiro momento não vi muita diferença. Aí começou a nascer a tal da abóbora, que, no caso, eu achei que era abóbora, mas quando eu fui ver, eram 30 alqueires de cabaça”, relatou.

O também presidente do partido Democracia Cristã em Goiás (DC), contou que a descoberta foi feita pelos seus dois funcionários, Machado da Oto e Seu Tuca, que estavam responsáveis pela plantação. “Se eles não tivessem descoberto antes, eu ainda iria esperar mais um mês, então quem me salvou foram meus agregados. Agora passei a grade na plantação e limpei tudo”, afirmou.

Na entrevista Alexandre deixou claro que mesmo com o prejuízo, não irá levar o caso à justiça e que prefere encarar a situação com bom humor. “Não vou perder meu tempo não. Isso é coisa da vida. A loja é pequena e se eu for fazer isso, eu vou prejudicar ele. E que isso aí sirva de lição, para mim serviu de lição”, disse o empresário.


Leia mais sobre: / / / / Cidades

Elysia Cardoso

Jornalista formada pela Uni Araguaia em 2019