13 de julho de 2024
Tempo

Rio Grande do Sul permanece em alerta para temporais, com avanço de frente fria

Segundo a sala de situação do governo, uma frente fria que vem do Uruguai causa instabilidade em regiões do estado, principalmente na metade norte, entre a noite de quinta-feira (7) e a madrugada de sexta-feira (8). As autoridades reforçaram o alerta no fim da tarde desta quinta-feira
O governo do Rio Grande do Sul, divulgou às 19h, do dia (07), um balanço que aponta 41 mortes em decorrência das enchentes que atingiram várias cidades. Foto: Defesa Civil-RS/Agência Brasil
O governo do Rio Grande do Sul, divulgou às 19h, do dia (07), um balanço que aponta 41 mortes em decorrência das enchentes que atingiram várias cidades. Foto: Defesa Civil-RS/Agência Brasil

O Rio Grande do Sul está em alerta para a possibilidade de temporais nas próximas horas em grande parte do estado. Segundo a sala de situação do governo, uma frente fria que vem do Uruguai causa instabilidade em regiões do estado, principalmente na metade norte, entre a noite de quinta-feira (7) e a madrugada de sexta-feira (8). As autoridades reforçaram o alerta no fim da tarde desta quinta-feira.

Na sexta-feira (8), a previsão é de chuva entre 30 e 50 mm/dia nos Vales e no leste, podendo chegar a 75 mm/dia no centro e norte gaúcho. O tempo deve se estabilizar durante o dia, mas voltar a chover à noite. Logo depois, no sábado (9), o tempo deve ficar instável pela manhã, com melhora gradual do sol no Rio Grande do Sul.

Leia também: Mortes no RS chegam a 39 e novo ciclone é formado no Sul do Brasil neste feriado de 7 de setembro

A princípio, a metade Sul do estado deve receber chuvas fortes na segunda-feira (11).

Mortes

O governo divulgou às 19h, do dia (07), um balanço que aponta 41 mortes em decorrência das enchentes que atingiram várias cidades.

A maior parte das mortes, 15, ocorreu na cidade de Muçum. As outras mortes foram registradas em Roca Sales (10), Cruzeiro do Sul (quatro), Lajeado (três), Ibiraiaras (duas), Estrela (duas) e Encantado, Imigrante, Mato Castelhano, Passo Fundo e Santa Tereza (uma morte em cada cidade).

De acordo com o governo estadual, 25 pessoas estão desaparecidas. Há 2.944 desabrigados e 7.607 desalojados. No total, 122.992 pessoas foram afetadas pelas chuvas intensas depois da passagem de um ciclone extratropical.

Leia também: Sobe para 22 o número de mortes causadas por ciclone Região Sul; chuvas continuam nesta quarta (6)

Por fim, o número de municípios afetados subiu para 83. O governo federal reconheceu o estado de calamidade pública em 79 cidades mais cedo.

Fonte: Agência Brasil.


Leia mais sobre: / / / Brasil