26 de maio de 2022
Economia

Restrições trazem prejuízos a bares e restaurantes, dizem entidades

Bares e restaurantes reclamam de novo decreto. (Foto: Reprodução)
Bares e restaurantes reclamam de novo decreto. (Foto: Reprodução)

As restrições estabelecidas a bares e restaurantes no decreto que começou a vigorar nesta terça-feira (18), em Goiânia, trazem prejuízo ao setor. É o que avaliam Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Goiás (Abrasel-GO) e o Sindicato de Bares e Restaurantes (Sindibares).

Em nota conjunta, as entidades afirmaram que “colocar essas medidas restritivas novamente traz prejuízos para o setor que foi um dos mais penalizados nestes últimos anos”. O texto diz ainda que “as entidades não concordam com as restrições das atividades comerciais”.

“Estamos há mais de dois anos pagando uma conta injusta e desproporcional no combate à pandemia”, frisam.

Continua após a publicidade

Agora, bares e restaurantes na capital poderão receber lotação máxima de 50% da capacidade, com até 500 pessoas. Também há obrigatoriedade de manter distanciamento mínimo de 1,5 m entre as mesas. Segundo Abrasel e Sindbares, esse protocolo já era adotado.

Veja: Fecomércio diz que restrições não foram as combinadas

Apesar das discordâncias, as entidades reforçaram que já orientaram seus associados para que todos sigam as novas normas. “O setor trabalha com a adoção de todos os protocolos sanitários e de proteção”, diz a nota.

Continua após a publicidade

Abrasel-GO e Sindibares ainda afirmam que acreditam “que a situação é passageira” e contam com diálogo contínuo com a Prefeitura de Goiânia.

O DG tentou contato com dirigentes das entidades, mas as ligações não foram atendidas até a publicação.