24 de julho de 2024
Notícias do Estado

Reconhecida união estável de amante

 

Juiza declara a união estável de mulher que teve relacionamento paralelo durante oito anos, com um homem que morreu em 2008

 

A juíza da 1ª Vara de Família e Sucessões da Comarca de Goiânia, Sirlei Martins da Costa , declarou a união estável de mulher que teve relacionamento paralelo durante oito anos, com um homem que morreu em 2008.

 

No entendimento da juíza, a mulher atende a todos os requisitos necessários para tal configuração, que são convivência pública, contínua e duradoura, estabelecida com o objetivo de constituir família, conforme consta do artigo 1.723 do Código Civil.

De acordo com Sirlei, ficou claro que o homem mantinha dois relacionamentos estáveis, duradouros e públicos, provendo o sustendo de ambas, além de ter o objetivo de constituir família com elas, convivendo com a mulher, em alguns momentos, e com a companheira, em outros.

Ela ressaltou que, neste caso, deixou de lado a imposição moral adotada no Brasil, relacionada a monogamia. “As duas mulheres viveram de forma ética de acordo com o comportamento afetivo imposto pelo direito, pois cada uma somente se relacionava com ele, sem conhecer a outra”, afirmou.

Os filhos foram contrários ao reconhecimento da união estável, com a afirmação de que o pai jamais havia se separado da mãe. Afirmaram que ele participava de jogos de azar e, por isso, realizou o acordo referente à pensão alimentícia com a cônjuge, para impedir que seus vencimentos fossem penhorados, em razão de dívidas. Ela reconheceu que o marido costumava manter relacionamentos extraconjugais.

 


Leia mais sobre: Notícias do Estado