18 de abril de 2024
Insatisfação • atualizado em 22/02/2024 às 13:39

Reajuste apresentado pela prefeitura de Anápolis não atende as categorias, diz sindicato

A presidente do Sindicato dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Anápolis (SINPMA), profª Márcia Abdala, afirma que o Projeto de Lei, encaminhado pela prefeitura não foi discutido com as categorias
A presidente do SINPMA, afirmou que os percentuais atrasados serão cobrados continuamente pela categoria. (Foto: SINPMA).
A presidente do SINPMA, afirmou que os percentuais atrasados serão cobrados continuamente pela categoria. (Foto: SINPMA).

Nesta última quarta-feira (21), a Prefeitura de Anápolis afirmou que concedeu o reajuste salarial de 4,62% para servidores e professores da rede municipal de ensino do município. Porém, a presidente do Sindicato dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Anápolis (SINPMA), profª Márcia Abdala, disse que o Projeto de Lei, encaminhado pela Administração Municipal, não foi discutido com as categorias que solicitam um reajuste de 9,87%.

“Encaminhamos ofício para o prefeito na primeira semana de janeiro e não fomos respondidos. Depois, fomos pessoalmente ao Gabinete Municipal para solicitar agendamento para a abertura das negociações e não obtivemos retorno. Foram várias tentativas argumentativas, porém sem termos um posicionamento por parte do Prefeito, ele encaminha um Projeto de Lei para a Câmara Municipal, com um percentual que não era o que as categorias em conjunto solicitavam”, explicou Abdala.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Anápolis (Sinpma), professora Márcia Abdala, o reajuste aprovado não supre o déficit salarial da categoria. “Mesmo com a possibilidade da concessão do percentual de 4,62%, temos uma defasagem acumulada de 35,57%. Na tentativa de recuperar esse índice, reivindicamos 9,87% para esse ano”, detalhou.

A gestão municipal defende que o reajuste de 4,62% é diferenciado para os professores municipais de Anápolis, que receberão um aumento salarial um ponto percentual acima do Piso Salarial Profissional Nacional do Magistério Público da Educação Básica (PSPN) de 2024, definido pelo Ministério da Educação (MEC) em 3,62%.

Porém, a presidente do SINPMA, afirmou que os percentuais atrasados serão cobrados continuamente pelas categorias que têm mostrado insatisfação com a Administração atual. “Seguiremos também uma agenda de ações, a qual foi deliberada na última terça-feira (20) durante Ato de Paralisação, para podermos debater os problemas das categorias, bem como as questões que envolvem a todos os moradores de Anápolis”, reforçou Márcia.

Demandas na educação de Anápolis

Os professores da rede municipal de Anápolis tem como objetivo reivindicar o piso salarial, titularidade, progressões horizontais e verticais, eleições para gestores, publicidade aos processos administrativos, cadastro de reserva, modulação, horas extras, concurso público e recesso escolar.

A categoria também enfrenta problemas como a falta de merenda; os livros didáticos e os kits escolares, além de uniformes, que não chegam para os estudantes; ponto eletrônico que não registra os pontos dos professores; as reformas das unidades escolares não acompanham o calendário escolar, comprometendo o ano letivo; déficit de professores, cuidadores, auxiliares de serviços gerais e vigias; e o chamamento do concurso público.


Leia mais sobre: / / / Cidades

Elysia Cardoso

Jornalista formada pela Uni Araguaia em 2019