20 de maio de 2024
Pesquisa

Quase todos os brasileiros assumiram já ter acreditado em fake news alguma vez

Apesar disso, 62% confiam em sua capacidade de distinguir informações verdadeiras e falsas
Muitas notícias falsas acabam sendo divulgadas de forma incessante pela internet, e alcançando milhões de pessoas. (Imagem: reprodução/Ilustração)
Muitas notícias falsas acabam sendo divulgadas de forma incessante pela internet, e alcançando milhões de pessoas. (Imagem: reprodução/Ilustração)

Quase 90% dos brasileiros admitiram ter acreditado em notícias falsas, revela pesquisa do Instituto Locomotiva e divulgada pela Agência Brasil nesta segunda-feira (1). O levantamento constatou que oito em cada dez pessoas já deram credibilidade a conteúdos falsos, mesmo assim, 62% confiam em sua capacidade de distinguir informações verdadeiras e falsas.

Entre os temas das fake news em que acreditaram, destacam-se a venda de produtos (64%), propostas em campanhas eleitorais (63%), políticas públicas, como vacinação (62%), e escândalos envolvendo políticos (62%). Além disso, 57% mencionaram conteúdos mentirosos sobre economia e 51% sobre segurança pública e sistema penitenciário.

A pesquisa ouviu 1.032 pessoas com 18 anos ou mais entre os dias 15 e 20 de fevereiro. Segundo 65% dos entrevistados, as fake news são disseminadas com ajuda de robôs e inteligência artificial. Oito em cada dez reconhecem a existência de grupos e pessoas pagas para produzir e espalhar notícias falsas.

O maior risco da desinformação, para 26% da população, é a eleição de políticos ruins. Em seguida, 22% destacam o perigo de prejudicar a reputação de alguém e 16% mencionam o medo causado na população em relação à segurança. Outros 12% veem como maior risco a prejudicação dos cuidados com a saúde.

Sentimentos gerados ao serem enganados por fake news variam, com 35% se sentindo ingênuos, 31% com raiva e 22% envergonhados. Um quarto da população (24%) já foi acusado de espalhar informações falsas por pessoas com visões diferentes.

Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva, defende medidas educativas para combater a disseminação de fake news. Ele destaca a importância de promover a educação midiática e verificar rigorosamente as fontes de informação para garantir que a população receba informações precisas e confiáveis.

Com informações da Agência Brasil


Leia mais sobre: / / / Brasil

Carlos Nathan Sampaio

Jornalista formado pela Universidade Federal e Mato Grosso (UFMT) em 2013, especialista Estratégias de Mídias Digitais pelo Instituto de Pós-Graduação e Graduação de Goiânia - IPOG, pós-graduado em Comunicação Empresarial pelo Senac e especialista em SEO.