15 de junho de 2024
Cidades

Promotor aciona Estado e Agetop para recuperação de trecho da GO-060

A ação protocolada pelo promotor Carlos Alberto Fonseca pede a manutenção imediata da GO-060, no trecho entre Goiânia e Firminópolis. Ele exige, também, a recuperação de toda a sinalização vertical e horizontal.

 

As medidas foram pedidas em caráter liminar. Esta é ação principal proposta no caso, em complemento à cautelar protocolada no início do mês. O prazo requerido pelo promotor para que seja concluída a manutenção da via é de 30 dias, assim como para o término da recuperação da sinalização.

Caso não cumpridas as medidas, foi requerida a imposição de multa diária de R$ 10 mil, a ser destinada aos Conselhos de Comunidades existentes em todos os municípios que fazem divisa com o trecho da rodovia. Também é pedido que os veículos deixem de ser autuados pelos radares fixos e móveis, os quais devem permanecer ajustados apenas em caráter educativo.

De acordo com o promotor, a GO-060, no trecho entre Goiânia e Firminópolis, encontra-se tomada por buracos, num avançado e contínuo estágio de degradação, em decorrência da omissão da Agetop na operação e manutenção preventivas e corretivas, causando vários transtornos à população local e aos usuários da via, além de expor a sociedade a situações de risco.

Quanto à responsabilidade do Estado, o promotor cita a omissão ao dever de operar o sistema administrativo público estadual em benefício de todos os cidadãos que utilizam esta malha viária.

“Basta transitar num pequeno trecho destas vias para perceber que o seu pavimento não tem recebido por parte do poder público a manutenção necessária, estando tomados por verdadeiras ‘crateras’, as quais dificultam sobremaneira o trânsito de veículos automotores”, afirmou Carlos Fonseca.

Ele acrescenta ainda que a má conservação das rodovias vem causando transtornos não só à coletividade, como também prejuízos de ordem financeira, pelo fato de que os proprietários de veículos, não tão raramente, têm pneus e amortecedores danificados pelos constantes impactos causados pelos inúmeros buracos espalhados pela cidade. Além disso, cita o perigo gerado pelos buracos, na medida em que os motoristas de automóveis, ônibus e caminhões, ao tentarem desviar dos impactos, podem atropelar pessoas ou mesmo atingir outros veículos.

Cautelar

No início deste mês, o promotor protocolou ação cautelar requerendo que todos os radares fixos e móveis da GO-060 fossem desligados até que a via de rolamento seja recuperada integralmente. Para Carlos Alberto Fonseca, é inaceitável a disparidade entre a extrema eficiência do Estado e daquele órgão em promover a cobrança de multas e a ineficiência, que, para ele, é absoluta, quanto à conservação da malha viária. Ele destacou que, antes da fiscalização, deve ser cumprido o dever básico de gestão dos interesses dos usuários.

Pedidos definitivos

No mérito da ação é requerido que seja realizada a manutenção definitiva da pista, no prazo máximo de 180 dias, tendo em vista o próximo período de chuvas. Além disso, pede-se a proibição à Agetop de realizar operações “tapa-buraco”.


Leia mais sobre: Cidades

Altair Tavares

Editor e administrador do Diário de Goiás. Repórter e comentarista de política e vários outros assuntos. Pós-graduado em Administração Estratégica de Marketing e em Cinema. Professor da área de comunicação. Para contato: [email protected] .