23 de julho de 2024
Estado de greve • atualizado em 10/03/2022 às 18:32

Professores aprovam greve, e Educação de Goiânia pode parar na próxima semana

Categoria aprova estado de greve em assembleia e aguarda nova negociação. Caso não haja acordo, estudantes podem ficar sem aula na terça-feira (15
Assembleia foi realizada no Cepal. (Foto: Aline Urzeda/Divulgação)
Assembleia foi realizada no Cepal. (Foto: Aline Urzeda/Divulgação)

Professores da rede municipal de Goiânia aprovaram em assembleia, realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), na manhã desta quinta-feira (10) um estado de greve, a ser deflagrada na próxima terça-feira (15), caso não haja nova negociação com a prefeitura.

A categoria cobra o pagamento integral do reajuste do piso nacional do magistério, de 33,24%. O Paço Municipal, porém, sinaliza com uma proposta de 7,5% para reajuste no piso e 9,3% para os administrativos, que referem-se ao período de 2020-2022.

Depois de uma reunião na quarta-feira (9), a proposta aumentou para 9,3% no reajuste do piso, mantendo-se o valor também para os administrativos. A categoria, porém, rejeitou.

De acordo com a presidente do Sintego, Bia de Lima, foi aprovado um estado de greve para que haja margem para negociações até terça-feira. Caso a categoria, de fato, decida pelo movimento paredista, pais e alunos também teriam tempo para se organizar.


Leia mais sobre: / / / Política