21 de julho de 2024
Cidades

Presidente da AMT nega que tenha contestado extinção do órgão

Uma nota na coluna Giro, assinada por Jarbas Rodrigues, em O Popular, de hoje, 12/12, causou muita preocupação para o presidente da AMT/Goiânia, Senivaldo Ramos. Ele foi colocado como opositor à  reforma administrativa do prefeito Paulo Garcia, que recria a Secretaria Municipal de Trânsito.

No começo da noite, em entrevista, Paulo Garcia afirmou que o presidente da AMT encaminhou-lhe uma carta no dia de hoje em que busca esclarecer o assunto. “Ele nega que tenha feito tal afirmação. A questão está ultrapassada”, afirmou o prefeito. A afirmação de Senivaldo Ramos teria, então, esclarecido o assunto, mas coloca o jornal O Popular na condição de esclarecer a publicação.

VEJA A NOTA PUBLICADA NA COLUNA GIRO E QUE FOI NEGADA PELO PRESIDENTE DA AMT :

AMT condena projeto do Paço que transforma agência em secretaria

Presidente da AMT, Senivaldo Ramos critica o projeto da Prefeitura que transforma a agência em Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade. O projeto tramita na Câmara de Goiânia no pacote da reforma administrativa do Paço. Senivaldo Ramos aponta dois problemas: AMT deixaria de administrar cerca de R$ 30 milhões arrecadados por ano com multas e taxas, que passariam para uma conta do Tesouro municipal, e também não comandaria a ação dos fiscais de trânsito, que passariam para a nova Secretaria da Fiscalização. “Contraria até o Código Brasileiro de Trânsito. Quando li na imprensa a informação sobre o projeto, procurei o prefeito Paulo Garcia. Ele me disse apenas que a mudança estava definida e que seria o melhor para Goiânia”, afirma o presidente da AMT.


Leia mais sobre: Cidades

Altair Tavares

Editor e administrador do Diário de Goiás. Repórter e comentarista de política e vários outros assuntos. Pós-graduado em Administração Estratégica de Marketing e em Cinema. Professor da área de comunicação. Para contato: [email protected] .