29 de maio de 2024
Mobilidade

Prefeitura de Goiânia fará teste com faixa reversa na Avenida Castelo Branco 

A escolha da Avenida Castelo Branco ocorreu devido às características do trânsito na região, que registra um aumento exponencial de carros
Avenida Castelo Branco terá faixa reversível como modelo teste na próxima semana. (Foto: SMM)
Avenida Castelo Branco terá faixa reversível como modelo teste na próxima semana. (Foto: SMM)

A partir da próxima terça-feira (9), a Secretaria Municipal de Mobilidade (SMM) vai instituir, em um trecho da Avenida Castelo Branco, modelo teste com uma faixa reserva. A estratégia será realizada em horários de maior fluxo, das 17h às 19h entre a Praça Walter Santos e Rua Jaraguá.

“Essa é uma das ações que instituímos para melhorar o trânsito e levar maior qualidade de vida para nossa população”, informa o secretário municipal de Mobilidade, Vinícius Henrique Alves, ao frisar que o volume de carros aumenta no sentido bairro-centro, no início da manhã, e inverte no final da tarde.

“Com a faixa reversa é possível mitigar esse volume de carros”, completa o secretário. Ele e técnicos da SMM, estarão na Praça Walter Santos, a partir das 16h da terça-feira (09/05), para atender à imprensa.

Os estudos para implementação dessa solução na grande Goiânia ocorrem ao longo dos últimos 20 dias com técnicos da SMM, com simulação do projeto piloto da faixa reversa realizada no dia 21 de abril, feriado de Tiradentes.

“Agora faremos um teste maior, com a ampla participação da população que passa pela região”, detalha o titular da SMM, ao pontuar que a pasta realiza uma série de estudos em diversas áreas, com foco na melhoria da qualidade de vida do goianiense.

Faixa reversa

Vinícius Henrique explica que a faixa reversa é uma solução inteligente adotada por vários países e em grandes centros urbanos no Brasil, dentre eles, Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro.

“E agora será instituída em Goiânia como um instrumento que pode melhorar a mobilidade em pontos estratégicos da capital”, explica o titular da SMM.

A escolha da Avenida Castelo Branco ocorreu devido às características do trânsito na região, que registra um aumento exponencial de carros em períodos específicos em que os moradores se deslocam para o trabalho, e retornam para suas residências.

“Os estudos devem mostrar as melhorias ao condutor no horário de fluxo. É o conceito de entregar o cidadão próximo de seu destino, sendo que pode ganhar tempo no deslocamento. Isso se traduz em possibilidade de chegar mais cedo em seus compromissos e, em muitos casos, propiciar mais convivência com a família ou realização de outras atividades”, detalha Vinícius Henrique. Segundo ele, a pasta se debruça em mapear investimentos necessários para diminuir a sobrecarga em diversas vias da capital.

Outro ponto a ser observado, ao longo do estudo, é o impacto em vias alimentadoras, caso seja implantada faixa reversa exclusiva que possibilite a conversão de carros à esquerda. No caso em estudo, por exemplo, o condutor que utiliza a Rua Benjamin Constant, em Campinas, em direção à Região Sudoeste seria impactado de maneira positiva, ao acessar a castelo Branco.

O resultado da simulação realizada durante o feriado de Tiradentes foi avaliado pela SMM de maneira positiva. Agora, a pasta realiza o trabalho de informar comerciantes, trabalhadores e população que transita pela região sobre o próximo teste do projeto piloto.


Leia mais sobre: / / / Cidades