15 de julho de 2024
Brasil

População considera que relação entre Jair Bolsonaro e Sérgio Moro está boa, aponta pesquisa

(Ao lado de Moro, Bolsonaro participa de evento em Brasília, junho passado. Para a população, o relacionamento entre os dois segue firme e forte. Foto: Alan Santos/PR)
(Ao lado de Moro, Bolsonaro participa de evento em Brasília, junho passado. Para a população, o relacionamento entre os dois segue firme e forte. Foto: Alan Santos/PR)

A forma como o presidente da República, Jair Bolsonaro tem tratado o ministro da Justiça, Sérgio Moro tem pautado algumas críticas e opiniões de que o relacionamento entre os dois não anda lá essas coisas. Levantamento do Instituto Paraná em todo o território nacional realizado entre os dias 11 e 14 de setembro, mostram que não é essa a percepção da população: os entrevistados acreditam que a relação entre ambos está “boa” ou “ótima”.

Um número expressivo que chega a 29,7% acredita que o relacionamento está “bom”. Outros 18,7% pensam que o relacionamento está “ótimo”. Somados, os números chegam a quase 50%.

Outros 9,5% dos entrevistados acreditam que o relacionamento entre presidente e ministro é ruim enquanto outros 11,3% pensam que é um relacionamento “péssimo”.

Quando os entrevistados são questionados sobre o tratamento dado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro à Sérgio Moro, 52,2% acreditam que o chefe de estado trata igual ao que deveria. 17,9% chegam a considerar que na realidade, Bolsonaro trata Moro melhor do que deveria ser tratado. Já 21,2% imaginam que o presidente trata Moro “pior do que devia”.

Relacionamento apontou desgaste

O relacionamento entre o presidente e o ministro Sérgio Moro chegou a apresentar sinais de desgaste. Bolsonaro tentou interferir em órgãos de investigação, como a Polícia Federal e o Coaf, decisões que cabiam a Moro. Chegou a dizer que quem mandava era ele, no maior estilo “manda quem pode, obedece quem tem juízo”.

Bolsonaro apontou irritação nos bastidores já em julho, quando soube da movimentação de Moro para reverter a decisão do presidente do STF, Dias Toffoli, de proibir investigações iniciadas a partir de informações transmitidas pelo Coaf sem autorização judicial.

Bolsonaro também não cansou de fazer piadas públicas com Moro. Na que ficou mais evidente, ele insinuava que Moro poderia fazer um “troca-troca” com o ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, em uma live. Moro participava da tradicional live de quinta-feira quando ia ceder sua cadeira para Salles e Bolsonaro mandou um: “Vai fazer um troca-troca com o Moro aí? Brincadeira, brincadeira…”

O ex-ministro da Justiça José Carlos Dias, chegou a dizer em entrevista ao Roda Viva, no começo de setembro, que uma possível interferência de um presidente no trabalho de um ministro da Justiça seria algo que jamais seria pensada em outros tempos. Para ele, Bolsonaro tem interferido no trabalho realizado pelo ministro Sérgio Moro. “Não tenho dúvidas [que interfere]. Ele [Bolsonaro] quer mandar em tudo, ele diz isso”, salienta. Tivesse no lugar de Moro, já teria pedido demissão. “Não tenho dúvidas [quanto ao pedido de demissão]. Eu não iria aceitar isso. Isso é uma afronta a dignidade de um ministro”, ressalta.


Leia mais sobre: / / / / Brasil

Domingos Ketelbey

Jornalista e editor do Diário de Goiás. Escreve sobre tudo e também sobre mobilidade urbana, cultura e política. Apaixonado por jornalismo literário, cafés e conversas de botequim.