27 de maio de 2022
Cidades

Policiais civis fazem “sirenaço” em protesto à morte de colega

Protesto foi realizado na manhã desta quinta-feira (30), em Goiânia. (Foto: Divulgação/PC)
Protesto foi realizado na manhã desta quinta-feira (30), em Goiânia. (Foto: Divulgação/PC)

Policiais civis realizaram na manhã desta quinta-feira (30), em Goiânia, um protesto, chamado de “sirenaço”, pela morte de João Paulo Arantes, de 31 anos, que foi morto à facadas na madrugada desta quarta-feira (29), em Bom Jesus de Goiás.

Diretores do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) e manifestantes saíram das delegacias especializadas, localizadas na Cidade Jardim, e foram até o Cemitério Jardim do Cerrado, onde o corpo de João foi sepultado.

Segundo a PC, o agente foi morto por uma jovem de 18 anos, que alegou ter sido molestada por João. De acordo com o presidente do Sinpol, Paulo Sérgio Alves, a categoria repudia qualquer tipo de violência e que o crime está sendo apurado. “A Polícia Civil em Goiás está de luto”, diz.

Continua após a publicidade

Na tarde desta quarta-feira (29), a PC divulgou uma nota de pesar sobre a morte de João Paulo e afirma que o crime será apurado e encaminhado ao Judiciário.

Leia a nota na íntegra:

A direção geral da Polícia Civil de Goiás externa suas condolências à família do Policial Civil João Paulo Arantes, de 31 anos, assassinado a facadas na madrugada desta quarta-feira, em Bom Jesus de Goiás, por Camila Souza da Silva, de 18 anos, por motivos ainda a serem esclarecidos. Ao mesmo tempo, informa que a Polícia Civil já adotou todas as providências no âmbito criminal, visando a apuração completa das circunstâncias do crime para, posteriormente, encaminhar todo o conjunto de provas ao judiciário para a aplicação da pena à suspeita.

Leia mais sobre:
Cidades