24 de maio de 2024
Operação Tempus Veritatis

Polícia Federal usará uma estratégia ‘surpesa’ em interrogatório de Bolsonaro e investigados

As equipes responsáveis pelos depoimentos se falarão durante as oitivas, de modo a confrontar as respostas e conduzir melhor os interrogatórios
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

A Polícia Federal adotará uma estratégia diferente no interrogatório do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e dos outros depoentes da Operação Tempus Veritatis, prevista para esta quinta-feira (22). As equipes conduzirão os depoimentos simultâneamente se comunicando durante as oitivas, de modo a confrontarem as respostas e conduzirem melhor os questionamentos.

Assim sendo, um delegado poderá saber, em tempo real, o que o outro depoente está dizendo em outro interrogatório. De acordo com a PF, a estratégia “surpesa” adotada facilitará com que os envolvidos que pretendessem ficar em silêncio decidam se manifestar e abrir o jogo, por receio de serem expostos em outro depoimento.

Além disso, a estratégia permitirá que as versões apresentadas sejam confrontadas, aumentando as chances de definir os atos. A Operação investiga a suposta trama golpista para impedir que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assumisse a presidência.

Bolsonaro ainda tentou adiar o depoimento, no entanto, o pedido foi negado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes. O ex-presidente e outras 22 pessoas serão ouvidas nesta tarde de quinta-feira (22).


Leia mais sobre: / / / Política

Luana Cardoso

Luana

Estagiária de Jornalismo do convênio entre a UFG e o Diário de Goiás.