25 de junho de 2022
Cidades

Polícia Civil investiga supostas vendas irregulares de terrenos no Daia, em Anápolis

Sede da Codego. (Foto: Reprodução)
Sede da Codego. (Foto: Reprodução)

Uma operação da Polícia Civil, deflagrada na manhã desta sexta-feira (23), apura a alienação de dois terrenos públicos no Distrito Agroindustrial de Anápolis (Daia). Há indícios, segundo a Delegacia Estadual de Combate à Corrupção (Deccor), de irregularidades.

Conforme a Deccor, as vendas foram feitas sem as devidas formalidades para dispensa de licitação. O processo administrativo de compra se iniciou em maio de 2017, ano em que foi definida a reserva da área. Foi informado pela empresa que seria construído um centro de distribuição e logística. Houve ainda mudança do tipo de atividade da empresa de “industrial” para “comercial”, o que levou à possibilidade de construção de um shopping. Pareceres da época avalizaram essas alterações.

Segundo a Polícia Civil, são analisados indícios de que haveria um esquema montado por empresa laranja para efetuação do negócio jurídico contratual, o que teria contado com aquiescência de funcionários públicos da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Goiás (Codego).

Continua após a publicidade

Na operação desta sexta, 62 policiais civis cumpriram 10 mandados de busca e apreensão em seis residências, duas pessoas jurídicas e na Codego. São investigados quatro funcionários públicos e outros quatro empresários por suspeita de alienação de bem público, associação criminosa, supressão de documento público e falsidade ideológica.

Nas buscas, foram apreendidos documentos, computadores e eletrônicos que possam subsidiar os indícios levantados até o momento. O nome da operação é Arantiaco e faz alusão a um termo em latim que significa “laranja”.

A Polícia Civil destacou que a investigação está em estágio inicial e o inquérito policial é sigiloso. O próximo passo é analisar os materiais apreendidos.

Continua após a publicidade