23 de junho de 2024
Destaque 2

Pesquisa da UFG prevê até 8 mil turistas infectados com reabertura em Caldas Novas

Caldas Novas tem baixa procura na Semana Santa. (Foto: Reprodução/Prefeitura)
Caldas Novas tem baixa procura na Semana Santa. (Foto: Reprodução/Prefeitura)

Uma nota técnica do grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG) prevê que 8.250 turistas podem ser infectados pelo coronavírus Sars-CoV-2 durante estadia em Caldas Novas, que vai reabrir hotéis e pousadas a partir do dia 1 de julho. A projeção foi divulgada na última quarta-feira (17).

O modelo leva em conta os atuais níveis de flexibilização locais, com um aumento de influxo de turistas e se 2% deles estiverem com a Covid-19 na forma assintomática ou pré-sintomática. Nesse cenário, o modelo da UFG prevê 64 óbitos pela doença até agosto, podendo variar entre 49 e 82.

A nota afirma que, em função do aumento do número de infecções entre a população residente de Caldas Novas, estima-se que cerca de 7619 turistas suscetíveis (com variaça entre 7485 e 7786) seriam infectados durante estadia. Esse número corresponde a aproximadamente a 2,8% do total de turistas esperados no período entre 15 de junho e 15 de agosto. O número de turistas infectados pode chegar a cerca de 8.249 (variando entre 8060 e 8495) caso 2% dos visitantes estejam infectados.

O levantamento diz que um pico de infecções diárias será registrado no fim de julho, com redução na incidência de novos contágios em seguida. Isso se dará em função do menor número de turistas suscetíveis ao vírus e a menor quantidade de pessoas transmissoras em Caldas Novas.

A partir de dados fornecidos pela prefeitura de Caldas Novas, o grupo estimou 49 mil turistas entre 1 e 15 de julho; 63 mil entre 16 e 31 de julho; e 160 mil entre 1 e 15 de agosto. A maior taxa de ocupação ocorreria na segunda quinzena de julho, com 45%, vide o gráfico abaixo.

Definiu-se, para o modelo, um tempo médio de permanência de 2,4 dias e assumimos que até meados de agosto até 20% dos turistas já poderiam estar imunes em função de infecção prévia pelo Sars-CoV-2.

Cenários

Em outra hipótese, sem influxo adicional de turistas, mas com flexibilização, haveria um pico de demanda hospitalar no fim de julho. Seriam necessários, conforme a nota técnica, 100 leitos-dia de enfermaria e 26 leitos-dia de UTI. São estimados 56 óbitos pela Covid-19 no período, podendo variar entre 43 e 70.

Com os níveis atuais de distanciamento social sendo mantidos até meados de agosto na cidade, Caldas Novas teria 18 mortes causadas pelo coronavírus (variação entre 13 e 28) e precisaria de 40 leitos-dia de enfermaria e oito leitos-dia de UTI.


Leia mais sobre: / / Cidades / Destaque 2