13 de abril de 2024
Triste estatística

Pesquisa da Fiocruz demonstra que Covid-19 matou mais enfermeiros no Norte que no Sudeste

A autora do artigo define resultado como "fotografia real da desigualdade social que impera no país e no SUS"
A maioria das vítimas ainda eram pretas e pardas. Foto: Rovena Rosa/ Agência Brasil
A maioria das vítimas ainda eram pretas e pardas. Foto: Rovena Rosa/ Agência Brasil

Uma pesquisa divulgada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e publicada na revista científica Ciência & Saúde Coletiva, traçou um perfil dos profissionais de saúde mortos durante o primeiro ano de pandemia de Covid-19, entre março de 2020 e março de 2021. O estudo constatou que a doença matou mais enfermeiros na região Norte do que na região Sudeste do país.

A pesquisa mostra que, dos 582 mil enfermeiros que existem no país, apenas 7,6% estão na Região Norte, e 45,1%, na Região Sudeste. Mesmo assim, dos 200 enfermeiros mortos por covid-19 e contabilizados pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) no primeiro ano da pandemia, 29,5% eram do Norte e 26,5%, do Sudeste. Em números absolutos, foram 59 vítimas no Norte, e 53, no Sudeste. 

O Amazonas foi o estado brasileiro em que houve mais mortes de enfermeiros no primeiro ano da pandemia, com 12,5% do total. São Paulo teve 10,5%, e Rio de Janeiro, 9,5%.

Desigualdade social

A disparidade entre a proporção de profissionais e a proporção de mortes também aparece entre médicos e auxiliares de enfermagem. Com apenas 4,5% dos médicos do país, tiveram 16,1% dos óbitos entre esses profissionais. Entre os auxiliares de enfermagem, 8,7% estão no Norte, enquanto 23,2% das vítimas dessa categoria profissional se concentram nesses estados.

A pesquisa mostra ainda que 75% dos médicos mortos estavam acima dos 60 anos, enquanto 80% dos técnicos ou auxiliares de enfermagem mortos estavam abaixo dessa faixa etária.

O perfil dos profissionais da enfermagem mortos por covid-19 foi principalmente de mulheres negras. Entre os enfermeiros vitimados, 59,5% eram mulheres, enquanto que, entre os auxiliares de enfermagem, elas eram 69,1%. Já em relação à raça, 31% dos enfermeiros que morreram por Covid-19 eram brancos, e 51%, pretos e pardos. Já entre os auxiliares e técnicos, 29,6% eram brancos e 47,6% pretos e pardos. 

Entre os médicos, 87,6% das vítimas são homens, e 12,4%, mulheres. A pesquisa informou que dados sobre cor e/ou raça não estão disponíveis no caso dos médicos.

A autora principal do artigo, Maria Helena Machado, diz que os dados regionais de mortalidade dos profissionais de saúde são “uma fotografia real, crua e dura da desigualdade social que impera no país e no Sistema Único de Saúde [SUS]”.

Com informações da Agência Brasil


Leia mais sobre: / / Brasil / Saúde