14 de junho de 2024
Política

Ambiente pré-divulgação do relatório: Perillo fica no relatório, diz líder petista

O deputado federal pelo PT do Paraná, Dr. Rosinha, é incisivo: “Já negociamos a retirada de jornalistas do relatório da CPMI, a retirada do Procurador da República Roberto Gurgel, mas não há negociações (para a retirada) em relação ao governador de Goiás”.

Em entrevista ao Diário de Goiás, o petista, que é um dos fundadores do partido, afirmou trabalhar “arduamente” para aprovação do documento elaborado por Odair Cunha (PT – MG).

Segundo Dr. Rosinha, o relator da CPMI fez um dos relatórios mais contundentes da história das comissões da Câmara Federal. “O trabalho de pesquisa e investigação realizado para a composição deste relatório foi gigantesco. Odair não poupou ninguém. Todos aqueles que tinham qualquer indício de envolvimento com a organização criminosa, estão citados”.

Sobre as acusações de possível “perseguição política”, contra Perillo, o deputado ressaltou: “Não há dúvidas. Os áudios, as conversas, as negociações financeiras indicam um relacionamento próximo entre o governador goiano e o contraventor.Além do fato de existirem petistas no mesmo relatório. O prefeito de Palmas é um exemplo”.

 

Para o deputado, Marconi Perillo deveria estar sendo investigado desde a Operação Vegas. “Se Gurgel não tivesse sentado em cima dos fatos, naquela época, o resultado das eleições do Estado de Goiás seria outro. Possivelmente, nem Marconi nem Demóstenes Torres seriam eleitos”.

 

A bancada petista e faz campanha aberta pela aprovação do relatório. “A grande questão não é a aprovação por si só, mas o fato político que escancara o jogo criminoso que está no comando político de muitos estados. Marconi, por exemplo, já está sendo investigado pelo STJ, mas precisamos abrir os olhos da sociedade”, concluiu Rosinha.


Leia mais sobre: Política