30 de maio de 2024
Congresso • atualizado em 15/12/2022 às 19:30

PEC da Transição trava na Câmara, e votação deve ficar para semana que vem

O principal motivo para a tramitação estar emperrada é a queda de braça entre petistas e integrantes do chamado centrão
Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Divulgação/Câmara dos Deputados)
Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Divulgação/Câmara dos Deputados)

Já aprovada no Senado, a PEC da Transição, que é a alternativa encontrada pela equipe do presidente eleito, Lula (PT), para honrar compromissos de campanha, como o Auxílio Brasil de R$ 600, está travada na Câmara dos Deputados.

O principal motivo para a tramitação estar emperrada, de acordo com o site Poder360, é a queda de braça entre petistas e integrantes do chamado centrão. Com isso, a votação deve ocorrer apenas na semana que vem.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), teria fechado um acordo com o PT para garantir a aprovação da PEC da Transição em troca de apoio do partido à sua reeleição, o que envolveria também influência em cargos do primeiro escalão do próximo governo.

LEIA TAMBÉM: Sem aprovação da PEC da Transição, “país pararia já no primeiro mês de governo”, diz relator

Esse movimento fez com que parte do centrão ameaçasse não votar em Lira para presidente da Casa durante o próximo biênio. O grupo já até fala em outros nomes como alternativa, a exemplo de Marcos Pereira (Republicanos).

Se a PEC da Transição não for aprovada ainda neste ano, não será possível Lula contar com recursos para bancar seus projetos. Segundo o portal O Antagonista, sabendo dos riscos, os petistas já trabalham com a ideia de garantir o Auxílio Brasil de R$ 600 por meio de uma Medida Provisória.


Leia mais sobre: / / / Brasil