25 de junho de 2022
Notícias • atualizado em 02/08/2020 às 20:50

Pautados pela inclusão, Centro Universitário distribui bolsas de estudo para comunidade LGBTI+

Uni Araguaia e Aliança Nacional LGBTI+ firmam convênio inovador para estimular estudos e inclusão da comunidade
Uni Araguaia e Aliança Nacional LGBTI+ firmam convênio inovador para estimular estudos e inclusão da comunidade

O Centro Universitário Araguaia, em Goiânia, em convênio com a Aliança Nacional LGBTI+  firmou uma parceria inédita e vai distribuir 100 bolsas integrais de estudo para filiados da entidade. “É um projeto pioneiro no Brasil”, afirmou ao Diário de Goiás Hamilcar Costa, representante do Corpo Docente da UniAraguaia. 

O programa de inclusão educacional tem como objetivo diminuir o abismo que há dentro da comunidade LGBTI+ e no sentido de empoderá-los, o Centro Universitário decidiu pela oferta de bolsas. “Para empoderar a população LGBTI+ e a forma de empoderamento que nós escolhemos foi através da educação que é a nossa atividade e vocação. Aquilo que de fato nós gostamos e nos propusemos a fazer”, pontuou Costa. 

A parceria nasceu a partir de um evento organizado pelo próprio Centro Universitário. Em junho a UniAraguaia promoveu a palestra online “Sujeitos Negligenciados: diálogos sobre a população LGBTI+”. A discussão que contou entre diversos especialistas com o diretor-presidente da Aliança LGBTI+, Toni Reis e sensibilizou a direção da entidade educacional. “Ficamos sensibilizados às falas dos palestrantes com relação à violência e preconceito que a população LGBTI+ vem sofrendo”, salientou Hamilcar.

Continua após a publicidade

Pudera, pesquisa realizada pelo Grupo Dignidade, da Aliança LGBTI+ em 2015 e 2016, mostrou que 73% dos/das estudantes LGBTI foram agredidos/as verbalmente; 36% foram agredidos/as fisicamente; e 60% se sentiam inseguros/as no ambiente escolar. “O nosso único objetivo é diminuir a homofobia que a comunidade sofre”, mencionou Costa.

As bolsas serão distribuídas para os cursos à distância ofertados pelo Centro Universitário. A parceria ainda inclui um desconto de 15% para quaisquer cursos de graduação e pós-graduação à distância disponíveis pela UniAraguaia, para filiados da Aliança LGBTI+

Preconceito que mata: ‘não é mimimi’

Continua após a publicidade

“Não é mimimi”. Assim define o diretor-presidente da Aliança LGBTI, Toni Reis, em entrevista ao Diário de Goiás. “A intolerância tem aumentado. As pessoas estão achando que elas podem discriminar. Não é mimimi. Você ser motivo de chacota, desistir de estudar, cometer suicídio. A nossa comunidade tem 8% da possibilidade de suicídio do que a comunidade hétero. A idade média de uma pessoa hétero é em torno de 70, 75 anos. As pessoas trans é de 35 anos, por exemplo”, explicou. 

Por isso, na visão da Aliança Nacional LGBTI+, convênios realizados com o Centro Universitário são extremamente importantes. Foram 164 inscritos para concorrerem as 100 bolsas que serão formalizadas por meio de um vestibular. O número é abaixo do previsto pela entidade. “A maioria da nossa comunidade não chega a terminar o Ensino Médio”, pontua Reis. “Esperávamos 5 mil inscrições. Mas a gente percebeu que as pessoas não estão conseguindo completar o ensino fundamental e o ensino médio.” Segundo Toni, um programa semelhante será feito para fomentar também a conclusão do Ensino Médio e Fundamental por parte da comunidade LGBTI+.

Toni Reis, presidente da Aliança Nacional LGBTI+ ressalta parceria com UniAraguaia

“Parceria fundamental para autonomia à comunidade LGBTI+”

O fato das bolsas de estudo serem para cursos à distância é extremamente importante para a comunidade LGBTI+. Se existe muito preconceito e violência à comunidade, este é um motivo para a alta evasão escolar e acadêmica da comunidade. “Essa parceria é fundamental para gente dar autonomia a comunidade LGBTI+ e  a questão de não ser presencial é melhor agenda para nossa comunidade, para as pessoas não sofrem o bullying, a violência e a discriminação”, pontua Reis.

A UniAraguaia então, numa medida pioneira ‘abrir as portas’ é algo que rende elogios por parte da comunidade. “Nesse sentido, a Uni Araguaia abre suas portas de forma muito empática e solidária para a diversidade. Nós estamos muito felizes com a parceria porque uma pessoa que tem o nível superior terá mais capacidade para empregabilidade.”

Claro, o ideal é um mundo sem preconceito onde a comunidade LGBTI+ pudesse estudar sem ruídos, mas é uma alternativa paliativa para qualificar pessoas discriminadas. “Hoje a maior dificuldade de empregar a nossa comunidade a maioria não tem a formação. Então, irá instrumentalizar essas pessoas para o mercado de trabalho. Esperamos que sirva de exemplo para outros Centros Universitários e outras Universidades privadas que ofereçam vagas para nossa comunidade.”, concluí.

Projeto Educacional Brunna Valin

O projeto que distribui bolsas de estudos à população LGBTI+ leva o nome da ativista na luta contra a AIDS, Brunna Valin que faleceu no último dia 1º de junho. Ela era integrante do Comitê Consultivo para Políticas de Prevenção para Mulheres Transexuais e Travestis do Programa Municipal de DST/Aids e fazia parte do grupo de articuladoras de prevenção no município, também era diretora do Fórum das ONG/Aids do Estado de São Paulo, colaborava no Grupo Pela Vidda/SP e era orientadora socioeducativa no Centro de Referência da Diversidade (CRD).

“Com 45 anos completados em janeiro, estudante de ciências sociais, Brunna era exemplo de ativismo e empoderamento, aliando alegria às suas ações nas luta pelos Direitos Humanos. Garra e sorriso largo eram suas características. Fica a boa lembrança de tantas batalhas vencidas e de sua capacidade de superação e a certeza da continuidade do trabalho, de inclusão social e construção de um mundo mais justo e mais diverso, é a melhor forma de honrar a sua memória” escreveu a Agência AIDS no texto de luto à sua memória.