30 de maio de 2024
Transporte Público • atualizado em 13/08/2023 às 09:09

Passagens de ônibus no Entorno do DF ficam mais caras e Caiado fala em subsídio ao transporte coletivo

Segundo o governador, a medida vai penalizar uma população trabalhadora e não vai resolver o problema estrutural do transporte coletivo na região. "Se não buscarmos uma forma sustentável de subsidiar o serviço, como fizemos em Goiânia, o sistema vai colapsar no Entorno", afirmou
Governador Ronaldo Caiado. Foto: Leoiran
Governador Ronaldo Caiado. Foto: Leoiran

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) autorizou, a partir deste domingo (13), um reajuste de até 15% nas tarifas do transporte coletivo no Entorno do DF. A medida vai impactar no bolso dos trabalhadores que precisam se deslocar entre Goiás e o Distrito Federal. A decisão foi criticada pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União Brasil), que defendeu um modelo de subsídio ao serviço, seguindo o exemplo da Região Metropolitana de Goiânia.

Leia também: Caiado indica que pode reverter aumento da tarifa do transporte no entorno do Distrito Federal

Caiado manifestou contrário ao aumento das passagens em entrevista à rádio CBN na última sexta-feira (11), mesmo dia em que a ANTT anunciou a decisão. Segundo ele, a medida vai penalizar uma população trabalhadora e não vai resolver o problema estrutural do transporte coletivo na região.

“Se não buscarmos uma forma sustentável de subsidiar o serviço, como fizemos em Goiânia, o sistema vai colapsar no Entorno. Grande parte da mão de obra de Brasília vive nos municípios goianos vizinhos e esses trabalhadores vão pagar tarifas muito pesadas para um serviço que não tem qualidade. São trabalhadores que muitas vezes ganham apenas um salário-mínimo e deixarão quase metade do vencimento só no transporte.”, afirmou Caiado.

Região Metropolitana de Goiânia

O governador citou como solução o caso de Goiânia e da Região Metropolitana, onde o governo estadual e as prefeituras subsidiam parte da tarifa e permitem ao usuário pagar apenas uma passagem e trocar de ônibus gratuitamente no intervalo de 2h30 em qualquer ponto da rede. O valor da tarifa permanece em R$ 4,30, enquanto o custo real é de R$ 7,02 por passageiro, a diferença de R$ 2,72 é paga pelo poder público. O sistema também conta com um controle por biometria facial para evitar fraudes.

O reajuste das tarifas no Entorno do Distrito Federal foi calculado com base na planilha de custos operacionais das empresas que prestam o serviço, que foram afetados pela inflação, pelo aumento do diesel e pela queda da demanda de passageiros por causa da pandemia de Covid-19. A ANTT informou que o último reajuste havia sido feito em janeiro de 2020.

Leia também: Plano de Caiado é manter tarifa do transporte coletivo congelada pelos próximos 4 anos

No entanto, os usuários do transporte coletivo reclamam da falta de qualidade e de segurança dos ônibus, que muitas vezes estão superlotados, sucateados e atrasados.

Consórcio interfederativo

Para tentar reverter esse cenário, Caiado propõe um consórcio interfederativo com o governo federal e o governo do DF para reduzir o valor da tarifa do transporte coletivo no Entorno. A ideia é ampliar o modelo de subsídio adotado na Região Metropolitana de Goiânia para a região, que abrange 33 municípios goianos e cerca de 1 milhão de habitantes.

A responsabilidade sobre o transporte coletivo no Entorno do DF é da União, por meio da ANTT. Caiado busca, desde o ano passado, um acordo com o governo federal e o governo do DF para criar um fundo que subsidie parcialmente o valor da passagem, impeça reajustes e permita investimentos na modernização do sistema.


Leia mais sobre: / / Brasil / Cidades

Fabrício Carvalho

Casado com Kariny Melo e pai do Ítalo Melo. Na vida o que vale é ter histórias para contar.