28 de fevereiro de 2024
Acusação • atualizado em 01/06/2023 às 06:55

Participação de Ronaldo Caiado em CPI do MST termina após confusão com deputados

Em meio à confusão, o presidente da CPI, tenente-coronel Zucco (Republicanos) até tentou apaziguar a situação, mas como o bate-boca prosseguia, finalizou a sessão
O governador Ronaldo Caiado (União Brasil) participa de audiência na CPI do MST, nesta quarta-feira (31) (Foto: Reprodução/ TV Câmara)
O governador Ronaldo Caiado (União Brasil) participa de audiência na CPI do MST, nesta quarta-feira (31) (Foto: Reprodução/ TV Câmara)

A sessão com participação do governador Ronaldo Caiado (União Brasil) na CPI do MST terminou após um bate boca do gestor com o deputado federal Paulão, do PT. O atrito que ocorreu antes das 18h abriu cainho para que o presidente da Comissão, tenente-coronel Zucco (Republicanos-RS), encerrasse a sessão.

O petista relatou que o governador havia sido “infeliz” ao associar o MST ao narcotráfico e a chamá-lo de “facção criminosa”. Caiado por algumas vezes fez essas associações repetidas vezes, sugerindo inclusive, que os parlamentares investigassem origem e pudessem tipificar os crimes cometidos pelo movimento, ao relatório final.

Mas o que deixou Caiado incomodado foi Paulão ter citado o ex-senador Demóstenes Torres, em um episódio que ocorreu em 2012 quando Torres disse que Carlinhos Cachoeira havia financiado campanhas do governador de Goiás.

Caiado pediu respeito e disse que aquele assunto não era o alvo do requerimento que o deputado federal Gustavo Gayer (PL) havia feito para convidá-lo a CPI. Irritado, disse que o petista não tinha moral para falar dele e que quem teve relações com Carlinhos Cachoeira. “Carlinhos Cachoeira é relação sua. Financiava o PT lá de Goiás”, disparou.

O governador continuou antes de sair. “Eu exijo de vossa excelência respeito. Eu nunca lhe dirigi vossa excelência de maneira desvairosa. Vossa excelência, calado que eu estou falando agora.” E disparou: “Você aqui não tem moral para se dirigir a mim. Não entre no CPF da pessoa, você não me conhece, não sou da sua laia e não participo das suas bandalheiras.”

Em meio à confusão, o presidente da CPI, tenente-coronel Zucco (Republicanos) até tentou apaziguar a situação, mas como o bate-boca prosseguia, finalizou a sessão.


Leia mais sobre: Política

Domingos Ketelbey

Jornalista e editor do Diário de Goiás. Escreve sobre tudo e também sobre mobilidade urbana, cultura e política. Apaixonado por jornalismo literário, cafés e conversas de botequim.