19 de julho de 2024
Brasil

Papa pede fim das guerras no Oriente Médio durante visita a Abu Dhabi

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O papa Francisco pediu nesta segunda-feira (4) o fim das guerras no Oriente Médio, cujas “nefastas consequências” são visíveis atualmente “no Iêmen, Síria, Iraque e Líbia”.
O pontífice discursou em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, durante um encontro inter-religioso internacional. É a primeira visita da história de um pontífice à península Arábica, o local de nascimento do islã.
“A fraternidade humana exige de nós, representantes das religiões, o dever de banir qualquer nuance de aprovação da palavra guerra, sinônimo de miséria e crueldade. Suas consequências nefastas são visíveis atualmente no Iêmen, na Síria, no Iraque e na Líbia”, disse.
“Juntos, irmãos da única família humana desejada por Deus, devemos nos comprometer contra a lógica do poder armado, contra a monetização das relações, armamento das fronteiras, construção de muros, o engasgo dos pobres”.
Justificar “o ódio e a violência” em nome de Deus é “uma grave profanação”, declarou ainda.
 “Em nome de Deus Criador, é preciso condenar sem vacilação toda forma de violência, porque é uma grave profanação do nome de Deus usá-lo para justificar o ódio e a violência contra o irmão”, disse Francisco, acrescentando: “Não há violência que possa ser religiosamente justificada”.
Em seu discurso, o papa também fez um apelo à “liberdade religiosa”, ressaltando que ela “não se limita apenas à liberdade de culto” e que nenhuma prática religiosa deve ser “forçada” a outra pessoa.
“A liberdade religiosa (…) vê no outro um verdadeiro irmão, um filho da mesma Humanidade que Deus deixa livre e que por consequência nenhuma instituição humana pode forçar”, declarou diante de centenas de líderes de várias religiões.
A viagem de três dias tem como principal objetivo melhorar a relação entre a Igreja Católica e os líderes muçulmanos.


Leia mais sobre: / / / / Brasil

Domingos Ketelbey

Jornalista e editor do Diário de Goiás. Escreve sobre tudo e também sobre mobilidade urbana, cultura e política. Apaixonado por jornalismo literário, cafés e conversas de botequim.