16 de junho de 2024
Atlético Goianiense

Os desastres em Brasília

Não, o desastre não é a queda do Atlético, que se confirmou na semana contra o Corinthians, e anunciado há muito tempo. Também não é a derrota do Santos de Neymar, melhor jogador em atividade no Brasil, que não aspira mais nada na competição. O desastre, ou os desastres, são os borderôs das partidas do Dragão contra os dois paulistas.

O Atlético é um time que esteve próximo do fim, ficou abandonado por anos, até que Valdivino de Oliveira, Maurício Sampaio, Jovair Arantes e outros atleticanos reergueram o time e o transformaram em uma potência regional. Em quatro anos o rubro-negro saiu da série C para a A, e uma estrutura de digna da elite do futebol brasileiro. Exemplo de organização e profissionalismo, mas o modelo ruiu, e quando isso acontece à crise é inevitável, inclusive a financeira.

Com o intuito de diminuir os prejuízos, a diretoria aproveitou o fato de ter sido punido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva com a perda de um mando de campo e mandou dois jogos, contra Corinthians e Santos, em Brasília, onde há muitos torcedores dessas equipes, e eles não têm oportunidade de ver seus times ao vivo, já que os brasilienses não têm representante na série A. O Dragão já investe nos torcedores da capital federal, tanto que em todos os jogos da equipe em Goiânia são abertos postos de vendas de ingressos no Distrito Federal.

Mas dessa vez o plano falhou, pelo menos em partes. A diretoria atleticana tinha como expectativa grandes arrecadações, principalmente na partida contra o Corinthians, segunda maior torcida do País. A projeção era em torno de 1 milhão de reais, com uma média de 35 mil torcedores, mas apareceram “apenas” 17 mil, com uma rende de R$494 mil.

A solução então passou a ser Neymar, o grande astro em ação no Brasil, aquele que todos querem ver, pelo menos na teoria. Precavida, a diretoria do Atlético aumentou o valor dos ingressos, o mais barato custava R$80 e o mais caro R$120. Insuficiente para o êxito, pouco mais sete mil expectadores foram ao estádio Bezerrão, e a renda caiu para R$450 mil.

As duas rendas somadas não chegam ao valor que os atleticanos esperavam arrecadar só no jogo contra o Corinthians. Perder ou vencer as partidas a priori não fazia diferença, a intenção era reforçar o caixa, e esse jogo o Atlético perdeu de goleada.


Leia mais sobre: Atlético Goianiense

Altair Tavares

Editor e administrador do Diário de Goiás. Repórter e comentarista de política e vários outros assuntos. Pós-graduado em Administração Estratégica de Marketing e em Cinema. Professor da área de comunicação. Para contato: [email protected] .