15 de julho de 2024
Saúde em alerta • atualizado em 16/06/2024 às 15:01

O que é coqueluche? Saiba mais sobre a doença que preocupa países da Europa e o Brasil

Europa e Ásia enfrentam surtos da doença e Ministério da Saúde alerta para baixa cobertura vacinal no Brasil, onde casos voltam a subir
Um dos principais sintomas da coqueluche é a tosse seca prolongada. Foto: Reprodução
Um dos principais sintomas da coqueluche é a tosse seca prolongada. Foto: Reprodução

Doença conhecida principalmente pelo sintoma de tosse seca comprida e prolongada, a coqueluche volta a preocupar países da Europa e Ásia, e, consequentemente, coloca o Brasil em alerta. Em São Paulo, de janeiro a junho deste ano foram registrados 139 casos da doença, aumento de 768,7% na comparação com o mesmo período do ano passado. A infecção pode ser fatal ao causar insuficiência respiratória.

Causa e sintomas

A coqueluche é causada pela bactéria Bordetella Pertussis. A doença é transmitida por contato direto com pessoa contaminada e por meio de perdigoto, gotículas eliminadas por tosse, espirro ou até mesmo ao falar.

A coqueluche começa com a fase catarral, que dura até duas semanas, marcada por febre pouco intensa, mal-estar geral, coriza e tosse seca, sendo a mais infectante quando a frequência e a intensidade dos acessos de tosse aumentam gradualmente. A segunda fase, que dura de duas a seis semanas, é a paroxística, com febre que se mantém baixa, seguida de crises de tosse súbitas, rápidas e curtas, que podem comprometer a respiração.

Forma de prevenção

A principal forma de proteção contra a coqueluche é a vacina, gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O esquema vacinal primário é composto por três doses, aos 2 meses, aos 4 meses e aos 6 meses de idade, da vacina penta, que protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e Haemophilus influenzae tipo b, seguida de doses de reforço com a vacina DTP, contra difteria, tétano e coqueluche, conhecida como tríplice bacteriana.

Diante do aumento dos casos no país e da baixa cobertura vacinal, o Ministério da Saúde publicou nota técnica, no início deste mês, recomendando a ampliação, em caráter excepcional, e intensificação da imunização contra a doença no Brasil. 

O documento amplia a indicação de uso da vacina dTpa (tríplice bacteriana acelular tipo adulto), que combate difteria, tétano e coqueluche, para trabalhadores da saúde que atuam em serviços de saúde públicos e privados, ambulatorial e hospitalar, com atendimento em ginecologia e obstetrícia; parto e pós-parto imediato, incluindo casas de parto; UTIs e UCIs, berçários (baixo, médio e alto risco) e pediatria.


Leia mais sobre: / / / Geral

Luana Cardoso

Luana

Atualmente atua como repórter de cidades, política e cultura. Editora da coluna Crônicas do Diário. Jornalista formada pela FIC/UFG, Bióloga graduada pelo ICB/UFG, escritora, cronista e curiosa. Estagiou no Diário de Goiás de 2022 a 2024.