25 de junho de 2024
Cidades

O Popular: MPE investiga espancamento na CPP

Esposas de pelo menos sete detentos denunciaram ao Ministério Público Estadual que os maridos estariam sendo espancados na Casa de Prisão Provisória, em Aparecida de Goiânia. A denúncia foi divulgada por reportagem do Jornal O Popular desta quarta-feira (7). 

Veja o texto completo, disponível para assinantes no site de O Popular:

“Mulheres de sete presos denunciaram ontem ao Ministério Público de Goiás (MP-GO) que os maridos já foram vítimas de espancamento por parte de agentes do Grupo de Operações Penitenciárias (Gope), ligados à Secretaria da Administração Penitenciária e Justiça (Sapejus).

A promotora Elizena Aparecida Xavier solicitou providências ao secretário Edemundo Dias de Oliveira Filho e que se faça exame de corpo de delito nos presos relacionados na denúncia. Os nomes não foram divulgados.

A denúncia aconteceu no mesmo dia em que a Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) começou a apurar o espancamento, com fios elétricos, de Rogério Aparecido de Souza, de 32 anos, Kayk de Araújo Cabral, de 18, e de Lucas Henriques Silva Dias, de 19, em uma das celas da Casa de Prisão Provisória (CPP), no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

Os presos contaram que apanharam de colegas de cela por motivos fúteis, como dívida na cantina e por ter supostamente cercado uma parente de um preso no dia de visita.
Segundo depoimento dos presos, as surras eram determinadas pelo chefe da cantina do presídio Fernando Alves Mota e por Rafael Ayreston da Silva, de 24, apontado por eles como um dos chefes do pavilhão onde todos estão recolhidos. Os dois são considerados de alta periculosidade e aguardam julgamento por vários crimes.”


Leia mais sobre: Cidades