14 de junho de 2024
Brasil

Nova presidente da Petrobras alega estar de acordo com a política de preços da empresa

Magda Chambriard, presidente da Petrobras. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Magda Chambriard, presidente da Petrobras. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A nova presidente da Petrobras, a engenheira Magda Chambriard, afirmou, nesta segunda-feira (27), três dias após tomar posse, estar de acordo com a política de preços adotada pela empresa. Em entrevista coletiva à imprensa, a gestora avaliou que a estatal deve cumprir seu papel para que seja preservada a estabilidade do mercado interno.

“A Petrobras sempre funcionou acompanhando uma tendência de preços internacionais. Ora um pouquinho mais alta, ora um pouquinho mais baixo. O que é altamente indesejado é você trazer para a sociedade brasileira uma instabilidade de preços todos os dias. A Petrobras sempre zelou por esta estabilidade”, enfatizou.

De acordo com matéria publicada pela Agência Brasil, a atual política de preços dos combustíveis da Petrobras foi adotada em maio do ano passado e representou o fim do Preço de Paridade Internacional (PPI), que vinha sendo adotado há mais de seis anos.

Desde 2016, os preços praticados no país se vinculavam aos valores no mercado internacional tendo como referência o preço do barril de petróleo tipo brent, que é calculado em dólar. Essa prática gerou distribuição de dividendos recordes aos acionistas da empresa. No atual modelo, a Petrobras não deixa de levar em conta o mercado internacional, mas incorpora referências do mercado interno.

“Recentemente, tivemos um cenário com preços de gasolina, de diesel e dos derivados em geral elevadíssimos. O presidente Lula, em sua campanha eleitoral, prometeu abrasileirar os preços. E como isso foi feito? Ora, é justo eu cobrar de um produto que eu não importo o mesmo preço de um produto do mercado internacional que paga preço de frete, de seguro, de risco de importação, de ganho de importador? Tudo isso está presente em uma grande formulação que abrasileirou o preço dos combustíveis”, ponderou Magda.

A nova presidente da Petrobras se disse, ainda, honrada em assumir o cargo e lembrou o início de sua carreira, na própria empresa, aos 22 anos, além de sua passagem pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), onde ela chegou inclusive a exercer o cargo de diretora geral entre 2012 e 2016.

“Eu entrei nessa empresa num dia que eram produzidos 187 mil barris de petróleo por dia. Então acompanhei e fiz parte da campanha para 200 mil barris, para 500 mil barris, para um milhão de barris. Enquanto estava na ANP, embora já estivesse fora da empresa, participei da descoberta do pré-sal”.

Segundo Magda, o principal desafio da Petrobras é garantir a segurança energética do país ao mesmo tempo em que também precisa enfrentar a questão da transição energética. De acordo com a presidente, o objetivo da empresa é ser rentável, sem deixar de ser sustentável.

A nova presidente disse estar convicta de que a Petrobras será lucrativa e que atuará buscando dialogar tanto com os acionistas públicos quanto com os privados. “Vamos respeitar a lógica empresarial”, afirmou, por diversas vezes, segundo informações da Agência Brasil.


Leia mais sobre: / Brasil