logomarcadiariodegoias2017

Foto: Agência Brasil
esquerda

ANGELA BOLDRINI E DANIEL CARVALHO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Líderes da oposição na Câmara dos Deputados afirmaram que os partidos de esquerda devem se unir contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, determinada pelo juiz Sergio Moro nesta quinta-feira (4), mas descartam candidatura única nas eleições. 

Segundo o líder do PSOL na Casa, Ivan Valente, o partido tem uma postura contrária à prisão e favorável à candidatura de Lula mesmo tendo lançado candidato próprio ao Planalto, o líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) Guilherme Boulos. 

"O partido tem posição contrária a essa sinalização de perseguição política e falta de imparcialidade com que a Justiça está tocando o processo do Lula", afirmou.

Ele disse haver "clara pressa" para prender o petista, que teve o habeas corpus negado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) nesta quarta (4). 

Ele, no entanto, não acredita que a prisão unificará a esquerda em torno de uma candidatura única nas eleições de 2018. "O PT mesmo com uma inviabilidade da candidatura do Lula tende a tentar transferir a popularidade para uma candidatura própria", disse. 

Segundo o despacho de Moro, Lula tem até as 17h desta sexta-feira (5) para se entregar à Polícia Federal. Amigo de Lula, o deputado Orlando Silva (PC do B-SP) disse que a tendência é a união da esquerda em torno de Lula, mas disse que ainda é cedo para saber como o grupo se comportará nas eleições.

"Vai radicalizar a cena política do Brasil. O debate será mais sectário. O primeiro impacto é de produzir solidariedade ao presidente Lula. As arbitrariedades aproximam as esquerdas", afirmou Orlando Silva.

O deputado também criticou a celeridade da decisão de Moro e decidiu antecipar sua ida para São Bernardo, onde vive o ex-presidente, para esta quinta-feira (5), para apoiar o ex-presidente.

"Fica claro que há uma sanha para que haja um justiçamento do presidente Lula. O próprio STF foi atropelado", criticou o deputado.

GOVERNISTAS

Líderes de partidos governistas comemoraram a decisão de Moro. Segundo o líder do DEM, Rodrigo Garcia (SP), a determinação da prisão de Lula mostra que "a lei é para todos". "Ela mostra que todos os brasileiros têm que cumprir a lei", disse. 

Outros adversários procuraram minimizar o impacto da determinação de prisão de Lula no cenário eleitoral.

"Não desestabiliza o processo eleitoral. Escolhemos [nosso candidato à Presidência, Geraldo Alckmin (SP)] antes de sair a decisão. Estamos preparados para o combate", afirmou Ricardo Tripoli (SP), ex-líder do PSDB na Câmara.

Sugestões e críticas, mande um Zap para a Redação

whatsapp 512

62 9 9820-8895

SEARCH