21 de fevereiro de 2024
ENCRUZILHADA

Nome de Adriana Accorsi volta a subir em cotação para futuro ministério de Lula

Líderes nacionais do Partido dos Trabalhadores insistem em dividir ministério e dar pasta para delegada goiana, mas deputada segue em pré-campanha

Deputada do PT, a delegada Adriana Accorsi continua cotada para ocupar um eventual Ministério da Segurança Pública. O nome da deputada federal permanece citado por líderes nacionais do partido para o provável futuro ministério. Adriana é delegada da Polícia Civil de Goiás licenciada. Pré-candidata à prefeitura de Goiânia em 2024 já avalizada pelos petistas goianienses, ela, contudo, diz que a possibilidade, até aqui, não é real.

Em outubro, ao Diário de Goiás, Adriana já havia dito que nunca foi sondada sobre esta possibilidade. Mas, na época, a eventual saída do ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, era somente especulação. Agora, que ele foi indicado para ocupar vaga no Supremo Tribunal Federal, a chance de divisão do ministério perde seu principal opositor e cresce.

Mesmo diante do cenário, Adriana continua apenas agradecendo por ter o nome tão bem cotado. Nesta quarta-feira (6) mesmo, o assunto foi tema de nota na coluna do jornal O Estado de São Paulo. A nota apontou o aumento da pressão na legenda para a divisão do ministério e a indicação da deputada.

“A pauta da segurança pública tem que ser encarada pela esquerda. Adriana é delegada e tem apoio total da bancada”, afirmou ao jornal o deputado federal Washington Quaquá, vice-presidente nacional do PT, confirmando que deputada e delegada Adriana Accorsi continua cotada para ocupar um eventual Ministério da Segurança Pública.

Delegada de esquerda

Além de um nome respeitado no setor e uma mulher de esquerda, a deputada representaria um resgate do compromisso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de indicar mais mulheres para cargos decisórios do governo. Lula tem feito o contrário, exonerando algumas para atender partidos aliados. Por isso, sofre críticas das alas que o apoiaram.

A assessoria da parlamentar divulgou uma nota onde ela afirma: “Fico muito honrada por ter minha formação, minha experiência e minha trajetória como profissional da segurança lembrada e respeitada não só por meus queridos colegas do PT, mas milhares de pessoas que se manifestam nas redes sociais que aprovam e incentivam meu nome para o cargo de ministra”.

Pré-candidatura segue

Sobre a pré-candidatura, a nota destaca: “Ainda é muito cedo pra dizer se eu deixaria a pré-campanha para prefeita de Goiânia, prefiro passar a discutir sobre isso, quando a possibilidade for tangível. Sigo pré-candidata a prefeita, traçando planos e projetos para cuidar de Goiânia. E focada no importante trabalho de deputada federal, trazendo benefícios e recursos para Goiás”.


Leia mais sobre: / / / / Goiânia / Política

Marília Assunção

Jornalista formada pela Universidade Federal de Goiás. Também formada em História pela Universidade Católica de Goiás e pós-graduada em Regulação Econômica de Mercados pela Universidade de Brasília. Repórter de diferentes áreas para os jornais O Popular e Estadão (correspondente). Prêmios de jornalismo: duas edições do Crea/GO, Embratel e Esso em categoria nacional.