26 de junho de 2022
Na disputa

Na dianteira da última pesquisa para o Senado, Delegado Waldir acredita que base terá mais de um candidato 

O deputado federal aparece na liderança da última pesquisa divulgada pelo Brasmarket Inteligência
"O eleitor deve ter a oportunidade de escolher entre os vários nomes que serão colocados por cada partido", defende (Foto: Arquivo)
"O eleitor deve ter a oportunidade de escolher entre os vários nomes que serão colocados por cada partido", defende (Foto: Arquivo)

Na dianteira da última pesquisa divulgada pelo Brasmarket Inteligência para o Senado com 28,3% em um dos cenários, o deputado federal Delegado Waldir (União Brasil) aposta que a base do governador Ronaldo Caiado (União Brasil) deve contar com vários postulantes ao Senado na Base, caso a consulta do parlamentar seja aprovada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A decisão é o que falta para que sejam permitidas que as chapas para o Senado contem com mais de um candidato pelas siglas que vão compor a chapa majoritária da Base Caiadista. 

É o caso do correligionário de Caiado, do senador Luiz do Carmo (PSC), do ex-ministro das cidades Alexandre Baldy (Progressistas), do deputado federal João Campos (Republicanos) e pode contar, também, com o presidente da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), Lissauer Vieira (PSD), que anunciou sua pré-candidatura recentemente.  

Essa pulverização, segundo o parlamentar, é benéfica para a população que terá mais de um nome para decidir. Ele, inclusive, afirma o seu nome na dianteira da última pesquisa eleitoral não pressiona o Governo a lançar mais de um candidato, ou para que ele seja o escolhido para encabeçar a chapa para o Senado sozinho.  

Continua após a publicidade

Como adiantado pelo Diário de Goiás, a pesquisa do Instituto Brasmarket Inteligência aponta que Delegado Waldir aparece com 24,1% quando o ex-governador Marconi Perillo (PSDB) é colocado como um dos pré-candidatos e com 28,3% sem o tucano. Os demais pré-candidatos da base não atingem 10% do eleitorado. João Campos chega a 9% sem o ex-governador, enquanto Luiz do Carmo e Lissauer aparecem com 4,9%. Antes da desistência do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (União Brasil), Delegado Waldir estava em terceiro lugar.

Veja também: Sem Meirelles, Delegado Waldir aparece na liderança para o Senado e chega a 28,3%

Questionado sobre a liderança, o parlamentar cita que os números são bons e demonstram que o parlamentar será bem aceito na base durante as eleições, mas é a consolidação de um deputado federal que “vem de duas vitórias como o deputado mais votado de Goiás”. Delegado Waldir foi eleito em 2014, com 274.625 votos, e reeleito em 2018, com 274.406 votos.  

Continua após a publicidade

“A gente só tem o voto e vamos continuar trabalhando para termos excelentes resultados. Vamos continuar aumentando o nosso contato visual, a nossa proximidade com o eleitor e com o cidadão. Por isso vamos lutar pela busca pelo cidadão, a prioridade o eleitor e não as instituições A, B, C ou D”, explica o parlamentar. 

Candidaturas isoladas 

O deputado está confiante de que as candidaturas isoladas serão permitidas pelo TSE. O parecer permite que que vários partidos lançarão nomes para o Senado, como é o caso do União Brasil e de outros partidos da base do governador que terão candidatos ao Senado.  

“O eleitor deve ter a oportunidade de escolher entre os vários nomes que serão colocados por cada partido. Não devemos restringir a escolha do eleitor, temos que permitir várias candidaturas e não podemos forçar uma candidatura ou forçar uma candidatura pode debaixo do tapete. Quem quer ser candidato tem que estar disposto a encontrar outros vários candidatos e enfrenta-los na urna”, defende Delegado Waldir.  

Veja também:

Talles Barreto avalia que emendas ajudam parlamentares que tentarão reeleição

Deputado bolsonarista Capitão Augusto concorrerá a vice-presidente da Câmara

Leia mais sobre:
Política