09 de agosto de 2022
Discurso político

Na convenção de Vitor Hugo, Jair Bolsonaro diz que eleição terá ‘questão espiritual’: “outro lado quer destruir valores familiares”

Apesar da convenção ter aclamado Major Vitor Hugo, Bolsonaro usou a maior parte do tempo para fazer referência a sua campanha e colocar em evidência como tem sido perseguido ao longo dos últimos tempos
Jair Bolsonaro na convenção do PL goiano que confirmou o deputado federal Major Vitor Hugo à candidatura ao Governo de Goiás (Foto: Reprodução)
Jair Bolsonaro na convenção do PL goiano que confirmou o deputado federal Major Vitor Hugo à candidatura ao Governo de Goiás (Foto: Reprodução)

Na convenção do PL goiano que, nesta sexta-feira (29/07) confirmou a candidatura do deputado federal Major Vitor Hugo ao Governo de Goiás e do empresário Wilder Morais ao Senado Federal, o presidente da República, Jair Bolsonaro voltou a usar referências ‘espirituais’ e atacar a oposição durante as eleições: “Sabemos o que o outro lado quer que é destruir os valores familiares. Quer liberar as drogas do Brasil”, disparou fazendo referência a eleição nacional e ignorou o atual governador Ronaldo Caiado (União Brasil), principal concorrente do aliado goiano.

LEIA TAMBÉM: Apoiadores de Jair Bolsonaro hostilizam imprensa antes da convenção do PL de Vitor Hugo

Apesar da convenção ter aclamado Major Vitor Hugo, Jair Bolsonaro usou a maior parte do tempo para fazer referência a sua campanha e colocar em evidência como tem sido perseguido ao longo dos últimos tempos. “Me acusam de violência política, mas quem sofreu a facada fui eu. Nos elegemos, quase um milagre”, disse no começo de seu discurso. Depois elencou os problemas que vivenciou nos últimos três anos e meio. 

Continua após a publicidade

“Lamentavelmente, em 2020 apareceu aquilo que até hoje ainda é uma incógnita para muita gente. Apareceu o vírus. Levou muita gente nossa embora. Lamentamos, fizemos a nossa parte, dando meio para Estados e Municípios criando programas para que o desemprego não aparecesse, conseguindo um auxílio emergencial para os mais humildes”, pontuou Jair Bolsonaro.

LEIA TAMBÉM: Se Jair Bolsonaro votasse em Goiás, acho que ele votaria em mim, diz Gustavo Mendanha

Por um segundo momento falou sobre a “questão espiritual” e o perigo da oposição – liderada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) – vencer as eleições. “Voltando à questão espiritual: nós temos famílias, não queremos liberar as drogas. Sabemos o que uma mãe passa com os filhos drogados. Queremos respeitar os nossos valores e tradições”, pontuou Jair Bolsonaro. Pouco se falou nos oponentes de Vitor Hugo em Goiás.

Continua após a publicidade

Ao final, Jair Bolsonaro mencionou o governadoriável e disse que ele estava se “tornando conhecido” em Goiás, junto com o ex-senador Wilder Morais. Teceu elogios ao aliado antes de finalizar o discurso. “Ele tem tudo para ser um excelente governador neste pujante Estado de Goiás. Todos nós ganharemos com isso, o Estado e o nosso Brasil. Entendo como tenho falado com o Vitor Hugo. Não é fácil gerenciar um Estado bem como não é fácil administrar o Brasil. Mas temos como nos cercar de pessoas honradas e competentes no Estado para fazer um bom governo e bom trabalho em que vocês todos serão beneficiados”, complementou.

Leia o discurso na íntegra do presidente Jair Bolsonaro:

Goiás é o estado que eu mais visitei ao longo desses três anos e meio. Um carinho muito especial por esse povo, uma identidade. Eu agradeço a Deus pela minha segunda vida e por aquilo que eu digo ser uma missão em sendo chefe do executivo federal. A gente não sabe o que a vida reserva para cada um de nós. Elas acontecem, às pessoas de bem, cada vez mais estão se interessando pela política. O político é aquele que conduz o destino de uma nação. É o piloto de um carro. O momento aqui é de muita festa e alegria. A estrela ou o astro da noite é o major Vitor Hugo, meu colega da Academia Militar das Agulhas Negras. O que ele quer com a sua candidatura ao lado de colegas como o Wilder para o Senado, outros que vem a Câmara Federal e Assembleia Legislativa. É o melhor para seu Estado. Não é fácil você ser prefeito, o que dirá governador ou presidente da República. Muita gente boa que tem condições se afasta porque os problemas são muitos. Muitas incompreensões, ingratidões, mas também tem um momento de alegria e a satisfação do dever cumprido. 

Jamais eu esperava ser presidente da República. Isso aconteceu. Resolvi ao final de 2014 me preparar. Muitas vezes nem eu mesmo compreendia o que pretendia, mas algo foi me levando. Fui crescendo pelo Brasil, primeiro sozinho e depois agregando gente ao meu lado. Veio quase uma tragédia no dia 6 de setembro de 2018. Me acusam de violência política, mas quem sofreu a facada fui eu. Nos elegemos, quase um milagre. Os outros tinham meios, tempo de televisão e recursos, mas nós tínhamos o povo do nosso lado. Lá naquele quase leito da morte que eu visitei agora há duas semanas em Juiz de Fora os médicos são quase unânimes em dizer que a cada cem pessoas que levam uma facada igual aquela, apenas uma pessoa sobrevive. Isso não é sorte, é a mão de Deus. Ele reserva coisas pra gente.

O que eu mais ouço quando estou no meio de vocês é ‘Não desista e Deus te abençoe’. Eu assumi um país com sérios problemas éticos, morais, econômicos. 2019 não foi fácil mas começamos a tirar o Brasil da situação que se encontrava. Lamentavelmente, em 2020 apareceu aquilo que até hoje ainda é uma incógnita para muita gente. Apareceu o vírus. Levou muita gente nossa embora. Lamentamos, fizemos a nossa parte, dando meio para Estados e Municípios criando programas para que o desemprego não aparecesse, conseguindo um auxílio emergencial para os mais humildes. Sempre lembro que gastamos em 2020 com o auxílio emergencial o equivalente a 15 anos de Bolsa Família. Vencemos 2020 e veio 2021. Enfrentamos a maior crise de falta de chuvas nos últimos 90 anos. O nosso agronegócio também sofreu com isso. Mas nesses dois anos, o homem e a mulher do campo não pararam. Geraram divisas para o nosso país e garantiram a nossa segurança alimentar bem como de um bilhão de pessoas pelo mundo que vivem do nosso agronegócio. Há dois meses recebi a visita da presidente da OMC e quando ela saiu do Brasil deu a declaração que o mundo sem o nosso agro passa fome.

Começamos o corrente ano. Fui para a Rússia negociar aquilo que é essencial para nossa agricultura, fertilizantes. Mesmo com toda a crítica da grande maioria da imprensa e também de gente até do meu lado. Fizemos a nossa parte. Infelizmente, depois eclodiu uma guerra. Lamentamos, não tenho poderes para colocar um fim nela, mas fiz minha parte, eu sou presidente do Brasil. Conseguimos aquilo que é essencial para todos nós. 

A figura de hoje aqui é o Vitor Hugo. Dizer a vocês que os números da economia vão muito bem. A queda do desemprego a gente vê mês a mês. Os números da economia estão aí. O Brasil no corrente ano será um dos poucos países que terá um Produto Interno Bruto positivo. 

Mas temos outra coisa que é muito importante e cara para todos nós: é a questão espiritual e familiar. Sabemos o que o outro lado quer que é destruir os valores familiares. Quer liberar as drogas do Brasil, quer valorizar o MST que nós conseguimos acalmar essas pessoas titulando as terras deles, sem violência e sem qualquer agressão, conseguimos ao titular, fazer com que 360 mil pessoas que tinham posse de terra passaram a ter a propriedade dessas terras.

Outra coisa que é muito cara para todos nós deixo bem claro: em três anos e meio em meu governo eu intitulei mais gente que outra pessoa, outra dupla que ocupou o governo de 2003 a 2016. Outra coisa que é muito cara para todos nós: você tem acompanhado que o número de mortes violentas no Brasil que tem diminuído ano a ano. Isso em parte, é a nossa política de armamento no Brasil. Só o pessoal CAC – Colecionador, Atirador e Caçador – passamos de 350 para quase 700 mil no nosso governo. A arma de fogo na mão do cidadão de bem é a garantia que ele pode dar a sua família e bem como quem sabe, vai lhe garantir a liberdade no futuro. No nosso governo apareceram falsas denúncias de corrupção. Até que se um dia aparecer algo de concreto a gente ajuda a apurar. Vencemos três anos de governo sem nada de corrupção comprovada de nosso governo. Isso não é virtude, é obrigação.

Criamos o Pix que hoje todo o mundo aqui faz uso dele. Vocês não pagam nenhum centavo para usar o Pix no Brasil. Muita coisa nós fizemos, agradeço os motociclistas que me acompanharam do aeroporto até aqui e dizer a vocês que assim como a rodovia Presidente Dutra que não tem mais pedágio para motociclista, qualquer nova concessão, ou qualquer renovação os motociclistas estarão isentos de pedágios. 

Voltando à questão espiritual: nós temos famílias, não queremos liberar as drogas. Sabemos o que uma mãe passa com os filhos drogados. Queremos respeitar os nossos valores e tradições. Hoje em dia, não estou fazendo campanha, a minha convenção foi há poucos dias. Hoje estamos apresentando a vocês, muitos já conheciam, tenho informações que cada vez mais o Wilder e o Vitor Hugo se tornam conhecidos neste grande estado de Goiás. Pode ter certeza: nós sendo eleitos, ou reeleitos, a afinidade entre nós será uma constante. Para o melhor do nosso Estado de Goiás e do nosso Brasil. Vocês, estão aos poucos conhecendo, mais o Vitor Hugo do que o Wilder que é mais conhecido de vocês. Ele tem tudo para ser um excelente governador neste pujante Estado de Goiás. Todos nós ganharemos com isso, o Estado e o nosso Brasil. Entendo como tenho falado com o Vitor Hugo. Não é fácil gerenciar um Estado bem como não é fácil administrar o Brasil. Mas temos como nos cercar de pessoas honradas e competentes no Estado para fazer um bom governo e bom trabalho em que vocês todos serão beneficiados.

Cumprimento todos vocês presentes, obviamente interessados nessas duas pessoas, em especial com todo o respeito ao Wilder, ao nosso candidato ao Governo do Estado. Peço a Deus que ilumine a todos vocês para que no próximo dia 2 de outubro escolham aqueles que irão administrar o Estado de Goiás. Um abraço a todos, muito obrigado e até a vitória.