24 de junho de 2024
Bolsonarista • atualizado em 15/11/2022 às 15:00

MPF pede afastamento de diretor-geral da PRF por ter usado cargo para favorecer Bolsonaro

Se a medida cautelar do Ministério Público Federal for cumprida, Silvinei Vasques ficará afastado do comando da Polícia Rodoviária Federal por 90 dias
O diretor-geral da PRF, Silvinei Vasquez, usou seu cargo para favorecer a reeleição de Bolsonaro, de acordo com o MPF (Foto: Caroline Antunes/PR)
O diretor-geral da PRF, Silvinei Vasquez, usou seu cargo para favorecer a reeleição de Bolsonaro, de acordo com o MPF (Foto: Caroline Antunes/PR)

O Ministério Público Federal (MPF) pediu, por meio de uma medida cautelar, nesta terça-feira (15/11), o afastamento de 90 dias do diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Silvinei Vasques, com base em suposto ato de improbidade administrativa.

Vasques fez “uso indevido do cargo, com desvio de finalidade, bem como de símbolos e imagem da Polícia Rodoviária Federal com o objetivo de favorecer o candidato à reeleição de Jair Messias Bolsonaro para o cargo de Presidente da República”, segundo consta no pedido do MPF.

“É notório que após o anúncio do resultado das eleições, instalou-se no país um clima de instabilidade o qual demandou a atuação imediata de vários órgãos. Não se pode afastar, de plano, que as manifestas preferências do requerido tenham influenciado e possam vir influenciar a condução das ações da PRF durante este momento de crise”, diz um outro trecho, em referência aos protestos em rodovias.

LEIA TAMBÉM: Chefe da PRF na mira de inquérito da Polícia Federal

O MPF menciona publicações do diretor-geral da PRF nas redes sociais, como uma realizada na véspera do segundo turno. “Em 29 de outubro de 2022, sábado a noite e data anterior à realização do segundo turno das eleições, o requerido postou um stories de sua conta pessoal no Instagram, pedindo explicitamente voto para o presidente da República e candidato à reeleição Jair Messias Bolsonaro.”


Leia mais sobre: / / Brasil