09 de agosto de 2022
Política • atualizado em 02/06/2020 às 16:09

Torcedores do Goiás, Vila Nova e Atlético preparam ato pela democracia em Goiânia

Monumento está na Praça Cívica ou Dr.Pedro Ludovico Teixeira. (Foto: Arquivo Flickr Pref Gyn)
Monumento está na Praça Cívica ou Dr.Pedro Ludovico Teixeira. (Foto: Arquivo Flickr Pref Gyn)

Grupos antifascistas liderados por torcedores dos três principais clubes de Goiânia farão, no próximo domingo (7), um protesto em defesa da democracia. Atos semelhantes estão agendados para várias cidades do Brasil, como Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte e Salvador. O evento não é apoiado pelas torcidas organizadas do Vila Nova, Goiás Esporte Clube e Atlético Goianiense.

Na capital goiana, a convocação é feita pelas redes sociais. O protesto está marcado para às 14h, na Praça Cívica. Segundo Michel Franco, que integra o Movimento Esmeraldino Antifascista, a manifestação pedirá respeito aos preceitos e pilares democráticos.

“Precisamos dar nosso recado, lutar e conter este avanço fascista! Se do lado de lá tem gente na rua pedindo ditadura militar, fechamento do congresso e STF, retirada de direitos e fomentando diversas atrocidades, com perspectivas antidemocráticas, do lado de cá vamos mostrar que o Brasil não os pertence. Somos um povo plural, com uma rica e extensa cultura. Não aceitaremos outra ditadura”, pontuou.

Continua após a publicidade

Igor Dias, do Movimento Vila Metal Antifascista, cita que o ato também cobra uma postura séria do governo federal no combate à epidemia de Covid-19. “Existe a necessidade do isolamento social. Estamos com pesar de fazer essa manifestação nessas circunstâncias, mas infelizmente acompanhamos carreatas da morte pedindo abertura do comércio, atos antidemocráticos, com participação do presidente da República, ameaças à imprensa”, destacou.

O movimento também contempla a pauta antirracista, lembrando a morte de George Floyd, nos Estados Unidos, e o garoto João Pedro, no Rio de Janeiro, ambos negros e mortos por violência policial. Conforme o integrante do grupo antifascista vilanovense, o ato é pacífico.

“Somos totalmente contra qualquer ato de violência. Está no nosso DNA a ideologia do pacifismo. Esperamos que todos os participantes e também integrantes das forças de segurança mantenham o ambiente pacífico”, afirmou Igor Dias.

Continua após a publicidade

Os organizadores não estimam número de participantes e ainda dialogam para definir o trajeto da manifestação. Tanto os movimentos de torcedores de Goiás, Vila Nova e Dragões Antifascistas, do Atlético, declaram que o ato é apartidário. Os grupos têm ideologia progressistas, favoráveis à justiça social e contra preconceitos.

Movimento

Torcedores do Corinthians foram os primeiros a realizar atos pela democracia. No último domingo (31), em São Paulo, corintianos foram às ruas com as pautas do movimento antifascista. A ideia se espalhou pelo Brasil e uniu torcedores de vários clubes rivais no futebol.

Apesar da ligação com o esporte, as principais torcidas organizadas dos clubes divulgaram comunicado de que não são representadas no ato. Dragões Atleticanos, Esquadrão Vilanovense e Força Jovem Goiás afirmaram que as instituições não impõem ou incentivam seus membros a participarem de manifestações políticas. “Lembramos que quaisquer ações utilizando o nome da instituição que não seja permitida pela diretoria a qual não seja transmitida pelos nossos canais oficiais não tem legitimidade”, diz a nota.